02 julho 2010

Considerações sobre a derrota

1 - O Brasil jogou como nunca no primeiro tempo, e jogou como sempre (nesta Copa), no segundo tempo.


2 - Felipe Melo é um jogador mascarado, mau caráter. Não é um esportista. Todo mundo sabia disso, mas criaram um mito de que ele tinha se "recuperado". Diante de uma situação de risco, aloprou. Naqueles quatro escanteios nos últimos 10 minutos,  faltou um jogador. Teria feito a diferença.


3 - Tirar Luis Fabiano e botar Nilmar mostra o quanto o esquema tático montado não tinha alternativas. Naquele momento a seleção precisava dos dois juntos e mais de Robinho. Três atacantes. Porém, quem tirar do meio campo? Quem tirar?


4 - Os dois gols recebidos foram ridículos e mostram a vulnerabilidade do ponto que era considerado forte no esquema tático montado: a defesa. 


5 - Kaká só fez besteira. Tava bichado desde o começo, apesar de ser um grande jogador, e acreditar nele era uma esperança teleológica, desprovida de toda lógica.


6 - Considerações an-esquemáticas 1: Na guerra é preciso imaginar situações improváveis e ter alternativas concretas. Foi assim que Napoleão Bonaparte venceu a batalha de Austerlitz.


7 - Considerações an-esquemáticas 2: Na guerra, é preciso resguardar espaço para deixar prevalecer a criatividade dos grandes generais e dos subordinados, diante das oportunidades inesperadas. Foi assim que Napoleão venceu a batalha de Tolbiac.

Um comentário:

Anonymous disse...

Fala Fabinho, assino embaixo. É exatamente o que penso!
Bjs
Sonia Zaghetto