09 agosto 2010

Novas aventuras 1

O Hupo diminuiu o ritmo das postagens, na última semana, em função do trabalho, que passa a demandar alguns deslocamentos, os quais continuarão, ao longo do processo eleitoral. Entro de férias de minhas funções do governo, embora mantenha ativas minhas funções de pesquisa, ensino e orientação, na universidade, para me ocupar , também, de uma tarefa que me honra imensamente: ajudar a eleger João Alberto Capiberibe, do PSB, senador pelo Amapá, o Professor Marcos, do PT, também senador e Camilo Capiberibe governador daquele estado. Não sou marqueteiro e nem o pretendo, mas acredito na comunicação política. E, portanto, na política que não é um mero produto de marketing e nos candidatos que não são produto de marketing. Estarei fazendo uma das coisas que mais gosto, da maneira certa de fazer: colaborativamente. E, embora sem poder me dedicar à missão em tempo integral, a missão é apaixonante: fazer o diálogo das dinâmicas sociais com o programa de governo e, em seguida, o diálogo do programa de governo com a comunicação estratégica. Estarei unindo as pontas, meio que um volante num jogo rápido, produzindo dados, análises, falas, esquemas lógicos, formulações, timings, identidades e também vôos rasantes, para ataques furiosos e surpreendentes contra os adversários e seus apoiadores: Sarney et caterva. Parece legal, não? Pois é... E isso junto com uma equipe excepcional – Chico Cavalcante, Sérgio Santos, Pedrinho Mantovani, Giorlando Lima e Walter Júnior, dentre outros – e para candidatos nos quais acreditamos e, profundamente, respeitamos.

7 comentários:

Letícia Tavares Lobato disse...

Puxa, que legal, que boas notícias, Fábio Sorte nessa nova missão. Você no planejamento, Chico Cavalcante na estratégia e o Giorlando na direção o Capí já ganhou. Aqui no Pará, todos estaremos torcendo por ele, que é o grande nome das esquerdas em toda a Amazônia.

Anônimo disse...

Boa sorte, amigo, e vais precisar mesmo, porque o Camilo Capiberibe está em 4o lugar na pesquisa do Ibope, o Capí em 3o e vocês vão se bater contra ninguém mais, ninguém menos que Duda Mendonça, contratado pelo Sarney.

Ana Laura disse...

Fábio, o PSB do Amapá tem o Capiberibe, enquanto que o do Pará tem o Ademir Andrade. Você poderia comentar essa diferença?

Fabio Fonseca de Castro disse...

Oi Letícia, Obrigado, o candidato é de primeira, realmente, e o time que joga com ele está empolgado.

Fabio Fonseca de Castro disse...

Anônimo das 21:01, Olhe só: a diferença entre o 1o e o 4o candidato ao governo do Amapá, na pesquisa do Ibope, é de apenas 7 pontos, com margem de erro de 3 pontos. Está bem embolado. O mesmo se repete no Senado. São eleições bem disputadas, e por isso mesmo muito interessantes. O Duda Mendonça, de fato, é nosso concorrente, o que é também um desafio e uma honra. Mas vamos disputar projeto, no Amapá, porque o Capí permite uma disputa de projeto. Ele polariza de tal forma a sociedade amapaense que qualquer eleição de que ele participe acaba tendo uma dimensão politizada que é rara em outros lugares. E o Duda mendonça, por saua vez, não sabe disputar projeto. Ele é o rei do marketing eleitoral, não do marketing político. Ela sabe fazer musiquinha. Trata-se de um grande carnavalesco, de um grande folião, de um grande brincante. Fazer política é outra coisa.

Fabio Fonseca de Castro disse...

Ana,
O PSB produziu, historicamente, duas grandes figuras nacionais: Miguel Arrais e João Alberto Capiberibe, respectivamente em Pernambuco e no Amapá. Isso é notório. Em outros estados, vemos processos de construção política menos ou mais sólidos, menos ou mais politizados. Tenho certeza de que, em cada estado, as forças internas, na sua formação política, tentam fazer o melhor que podem.

Anônimo disse...

Puxa Fábio Castro, Parabens e sucesso.