06 janeiro 2011

Belluzzo garante 2

Bom, deixem-me colocar melhor o problema que vigia, a meu ver, antes que Belluzzo falasse melhor a respeito: todos já diziam e acreditavam que uma redução da dívida pública líqüida por meio do crescimento do PIB seria o caminho pretendido pelo governo. Porém, o próprio governo acabou gerando uma instabilidade absoluta quando decidiu fazer uma espécie de engenharia contábil para engrossar o superávit primário do ano passado, a partir da capitalização da Petrobras. Não pareceu sério. Foi mancada feia. Superávit primário tem que ser legítimo, feito com base em crescimento real, e não em maquiagem. A fala de Belluzzo assegura esse caminho.

Nenhum comentário: