12 janeiro 2011

O governo Jatene e as relações com o PT

Com oito deputados estaduais, uma bancada similar à do PMDB, o PT tem condições de fazer uma oposição qualificada e sistemática ao governo Jatene. Sobretudo porque, agora, com a experiência do governo Ana Júlia, o partido, digamos assim, aprendeu como são as coisas, como a máquina funciona. A consequência disso será uma oposição ofensiva, potencializada se o PT paraense lograr obter cargos federais, o que lhe daria uma vantagem política considerável. E essa oposição poderá ser mais efetiva ainda se o PT souber fazer nascer, da derrota da sua primeira experiência de governar o Pará, um projeto político mais claro e mais sábio. Como se faz isso? Simples: avaliando, com sinceridade e coragem, os erros e os cacertos do governo Ana Júlia, reivindicando a autoria das marcas construídas e fazendo, com o governo Jatene, permanentemente, a disputa de projetos. Porém, um outro problema a resolver é o fato de que a bancada parece um tanto engessada neste começo de governo.Independentemente de não terem, ainda, assumido o cargo, os deputados eleitos poderiam já ter iniciado um processo de diálogo com a sociedade mais abrangente. Qual deles, até este momento, já procurou confrontar os primeiros passo do governo Jatene?

2 comentários:

. disse...

Eu, infelizmente, não vislumbro a possibilidade de uma oposição qualificada.
A maioria das grandes lideranças do PT no Pará está mais preocupada em apontar o dedo um na cara do outro em relação às possíveis causas da derrota de AJ do que em defender todos os acertos do Governo - e nós sabemos que foram muitos.

Torço muito para que o rumo seja outro, quando todos tomarem posse. Mas confesso que não acredito muito que isso vá acontecer.

Anônimo disse...

O único que tem demonstrado disposição e preparo para isso, até agora tem sido o Bordalo.