04 dezembro 2011

Política estrangeira do Brasil na África

É interessante olhar para as relações diplomáticas que o Brasil tem estabelecido com a África desde a chegada do PT à presidência. Lula visitou 25 países africanos, em seus dois mandatos e duplicou o número de embaixadas brasileiras no continente.
Hoje o país tem 31 representações diplomáticas na África, à frente da Grã-Bretanha, que tem 26 e que deverá fechar algumas nos próximos meses.
Ainda perdemos para os Estados Unidos (46), Rússia (45) e China (42). Em termos de movimentação financeira, só estamos à frente da Rússia, que anualmente negocia US$ 3,5 bilhões com a região. O Brasil movimenta US$ 20 bilhões, ainda atrás da Índia (US$ 32 bilhões) e muito aquém da líder China (US$ 107 bilhões).
Porém, em termos de cooperação, a diferença vai muito além das cifras; enquanto esses países se dedicam ao tema com matizes imperialistas, buscando extrair o máximo do continente, e tratando o impacto sobre sociedades locais como pauta menor, a cooperação brasileira parte de um paradigma de solidariedade e imbui-se do espírito da Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948, que enfatiza em seu preâmbulo o conceito de família humana.
Essa diferença conceitual se verifica na prática absolutamente distinta entre o Brasil e as potências tradicionais quando cooperando com a África. Ao passo que as segundas inundam o continente com dinheiro repleto de condicionantes, a cooperação brasileira, ao centrar suas ações no desenvolvimento humano, contribui para a autodeterminação e emancipação das sociedades locais, especialmente através do intercâmbio de boas práticas em políticas públicas. Um bom exemplo é a cooperação iniciada pelo presidente Lula, e mantida pela presidenta Dilma, com Guiné-Bissau para a Promoção do Registro Civil de Nascimento.

Nenhum comentário: