08 outubro 2012

Comentando as eleições 14: Por que o PT precisa apoiar Edmilson


Em Belém, o PT não deve ter dúvidas e nem hesitar a respeito do apoio a Edmilson. A hora é de muito trabalho, porque o Governo do Estado, o PSDB e seus apoiadores não moverão esforços para dominar a região metropolitana, que seria para eles uma conquista inédita e decisiva para a consolidação da sua hegemonia.
Penso que, se resta, em algum petista, a dúvida se o PT deve acompanhar o Psol de Edmilson no 2o turno, essa dúvida se deve a uma compreensão incorreta, e talvez egoísta, do processo histórico de Belém e do Pará. Com acréscimo de um ressentimento, é claro, à respeito da postura sectária que o Psol tomou, em relação ao PT, em momentos anteriores.
O fato é que o 2o turno das eleições configura dois campos divergentes, e que Edmilson Rodrigues, juntamente com Jorge Panzera, representam o campo democrático e popular. E é isso que deve importar. Aliás, nem os ressentimentos de alguns devem, agora, importar: os compromissos que nomeiam o PT exigem dele que não seja sectário.
A tarefa é derrotar o PSDB e criar as condições para que Edmilson e Panzera façam uma gestão excelente e compromissada com os valores que todos nós acreditamos..

6 comentários:

Diógenes Brandão disse...

Qual será a posição do PT para o 2º turno em Belém? http://diogenesbrandao.blogspot.com.br/2012/10/qual-sera-posicao-do-pt-para-o-2-turno.html

Martha Marinho disse...

Mas Fábio, você acredita que fará grande diferença esse apoio?Pelos números percentuais mostrados?A militância do PT de 8 anos atrás também não migrou? Onde estão os 55% ou mais dos votantes do Edmilson em 2000 ?com certeza há um mistério a solucionar ,pois a militância nãos e resume aos 4%...
A questão para a derrota do PSDB ,diante da imensa máquina que o governador irá lançar, agora é numérica,não sei....

Fabio Fonseca de Castro disse...

Martha,
A verdade é que o eleitorado petista já está com o Edmilson. Mesmo o bloco de 3% que votou no Alfredo tem uma tendência em acompanhar o Psol, agora. O apoio "oficial" do PT tem um potencial de votos residual, portanto. Porém, esse apoio "oficial" tem um impacto sobre a opinião pública em geral, e, assim, pode pesar sobre um outro bloco de eleitores, que hj flutua entre as duas candidaturas. E concordo com vc quanto a dificuldade de ir contra a imensa máquina de guerra que o PSDB vai operar.

Edir Gaya disse...

Professor, já declarei publicamente meu voto ao Edmilson no segundo turno. Sou a favor do apoio crítico ao PSOL, pealas razões citadas no seu post. Agora, é preciso também considerar que o Edmilson bem que poderia tratar o PT com a mesma cortesia que fez ao Gérson Peres, presidente do PP, ao qual Marinor Brito, a vereadora mais votada do partido, já procurou. Sou a favor que o PT apoie o PSOL, mas defendo que o Edmilson tenha a consideração de solicitar esse apoio. É o mínimo, né?

Fabio Fonseca de Castro disse...

Fala Edir,
Concordo, é o mínimo. E que já devia ter sido feito.

Edir Gaya disse...

Em política não deve haver Complexo de Édipo...