14 maio 2010

Banda larga 5: Por que o setor privado critica tanto o PNBL

Veja o que Rogério Santanna, diz sobre as críticas do setor privado ao PNBL, numa entrevista exclusiva ao Correio Braziliense:
Por que o Plano Nacional de Banda Larga é tão criticado, sobretudo pelo setor privado? 
Os fabricantes de equipamentos no Brasil consideram o plano uma ótima oportunidade de ver essa indústria revitalizada. O Brasil tinha mais de 60 empresas nessa área e hoje há pouco mais que 13, que sobreviveram porque têm boa tecnologia. Quem não gostou foram os que estavam em uma situação de monopólio na maior parte das cidades onde atuam. É estranho que se chame de mercado aquilo que é monopólio. Segundo a própria Net, só há concorrência em 184 cidades. Evidentemente, estão reagindo à entrada onde os pequenos provedores vão poder concorrer. Dizer que as regras mudaram não é correto. As regras que o ex-ministro (das Comunicações) Sérgio Motta estabeleceu na época das privatizações, que eram de estimular a competição, pouco a pouco foram esquecidas e nós voltamos para um ambiente de concentração e de controle por uma única empresa em mais de 2 mil municípios. Em 3 mil, não há nada.
Rogério Santana ocupava o cargo de secretário de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento. Um dia depois de a Abrafix, associação das companhias de telefonia fixa, ter encaminhado carta à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) alertando para conflitos de interesse e uso de informação privilegiada pelos funcionários da Telebrás, que estão cedidos ao órgão, ele foi nomeado presidente e de diretor de Relações com Investidores da Telebrás.

Nenhum comentário: