01 julho 2010

Estranheza

Os últimos dias têm sido estranhos. A conveniência dos acordos eleitorais dá uma sensação de estranheza fora do comum e faz-nos amargar um gosto travoso na garganta. Como se as coisas estivessem indo para além dos limites da ponderabilidade. Podem dizer que nem Freud explica, se quiserem, mas a verdade é que ele explica sim, e tem uma palavra para isso unheimlich, estranheza, coisa que se sente quando as conveniências da realidade superam a própria realidade. Quando se peca pelo excesso simbólico...
Vejo as coisas assim:
1)      Receber o apoio político do PTB é excelente – porque governar e construir (e, ouso acrescentar, respeitar) alianças e o PTB possui um capital político importante, formado não apenas pela prefeitura de Belém mas também por outros municípios.
2)      Repassar a quota-parte do ICMS devido pelo governo estadual à prefeitura de Belém é justo – ainda que, neste momento, vá ser visto, apenas, como um acordo eleitoral, e não como a reversão da política revanchista e autoritária dos governos do PSDB, que não repassaram, quando deviam, os recursos que cabiam a Belém porque o PT a ocupava, naquele momento.
3)      Negociar o apoio do PT ao projeto do executivo municipal que municipaliza os serviços de abastecimento de água em Belém, abrindo a possibilidade de privatização da Saaeb – o sistema municipal de água – passando por cima de uma luta histórica, é inadmissível.
E tudo fica mais estranho quando vemos a aproximação do PT ao DEM. 
PSDB e DEM são os rivais principais, o marco de luta, o oposto necessário. Alguém já disse que, quando se é político a primeira tarefa é eleger um inimigo principal. O PT fez isso. Lula fez isso. O inimigo principal é o projeto neoliberal encabeçado por esses dois partidos. É contra esse projeto que Lula governou e começou a reconstruir um estado desfeito.
Então, como é que pode, agora, do nada, surgir uma possibilidade de aliança com o DEM?
A questão é: vale à pena trocar um capital simbólico e político valiosíssimo, construído com o sacrifício de muitos, por uma aliança eleitoral conjuntural?
No futuro, um eleitor petista – e estou falando de alguém que faz parte daqueles 25% da sociedade que votam no PT independentemente de quem é o candidato – poderia até se sentir à vontade para votar num Vic Pires Franco ou numa Valéria... nunca se sabe. Isso equivale a jogar no lixo o capital político construído.
Ainda que saibamos que essa aliança dificilmente envolverá a cessão da segunda vaga ao senado para o DEM, ainda que saibamos, no caso da Saaeb, que a municipalização do serviço não significa, imediatamente, a sua privatização, e que o governo estadual poderá fazer os investimentos necessários, nos serviços de água de Belém para, com isso, evitar a privatização, o jogo que está sendo jogado tem um ar de estranheza.
Uma boa definição do que é a política, me parece, é a de transformar o que é unheimlich em um coisa heimlich, digamos... mas há limites para tudo, no campo simbólico. Será que dá, nesses dois casos?
O que me fica é que confirmou-se vencedor um projeto que, desde o primeiro momento, disputava espaço no governo Ana Júlia: o projeto da aproximação com o PTB e com o PR. E, ouso ir mais adiante, o projeto que convocava setores desses partidos para uma aliança tão ampla que ia além do âmbito meramente eleitoral.
A imprensa e mesmo os adversários políticos, tenho impressão, nunca perceberam bem essa dimensão da disputa interna; sempre observaram o que chamam de “núcleo duro” como uma coisa realmente “dura”, ou seja, politicamente compacta. Pouco se interessaram pela luta interna dentro da luta interna. Ou pelos projetos representados por cada um dos que disputaram espaço político dentro do governo.

10 comentários:

Anonymous disse...

Meu caro, ficou a impressão de que você fez um post dentro de outro. O final está cheio de pistas e sugestões. Fale mais a respeito desse "projeto de aproximação".

Anonymous disse...

Se me permite gostaria de lhe fazer uma. Qual o limite, ou melhor, qual o preço a se pagar pela governabilidade, para chegar e se manter no poder? Vale apena jogar esse capital simbólico (que a meu ver já se perdeu a muito, ou pelo menos só existe em uma dimensão superficial) no lixo da história? Vale abrir mão dos poucos princípios éticos que restam ao PT? Vale mecanismos de financiamento digamos indevidos? Vale passar por cima das pessoas que ajudaram a construir esse capital tão valioso pelos novos “aliados”? Posso está enganado, mas pelo que já presenciei parece que sim.

Anonymous disse...

O PT do Pará não é igual ao PT de Lula. Lula soube superar os desafios e construir alianças que não inviabilizaram o capital político do seu partido. No PA parece que não. Tudo isso é muito supreendente.

Marluce Aguiar disse...

Caríssimo Fábio,
Lamento junto com você, mas não sofra muito, ok? A política é isso mesmo que você está vendo: hoje coliga, amanhã não coliga, depois de amanhã vai ser domingo e, depois, ninguém sabe o que será. Não se desaponte, oh!, não se desaponte. Se ficar muito aborrecido, venha assistir o jogo do Brasil com seus amigos do PCdoB. Se ficar muito indignado, vá lá na casa do Jairo e namore um pouco com o pessoal do PSOL. O vereador João Alfredo, de Fortaleza, citou você no PSOL. Um partido político é um bonde que passa cheio de pernas. Algumas são verdes, outras vermelhas e outras azulitas. Você se pergunta, porque eu sei que se pergunta: para quê tantas pernas, meu Deus? E seu Deus vai lhe dizer que você não está entendendo nada. Ah, Fábio, seja complacente. Vá ler um livro, ver um filme, jogar futebol de botão com seu avô. Vá namorar, vá! Vá comer vatapá! Mas vá, vá logo, vá s'embora. Vá morar n'outro lugar.

Anonymous disse...

Faltou tu dizeres que o consultor geral passou a manhã, a tarde e a noite costurando esse acordo, que o homem da água é o Raul Meireles, que a Edilza bem que gostaria disso, que o chefe da casa civil tá fazendo pororoca sobre a DS e que o prefeito de Belém vai ficar mais rico...

Anonymous disse...

Fábio, para esse governozinho tudo vale a pena. Mas ele é curto. E sabe-se lá se chega mesmo a ser reeleito. E se reeleito se chegar a cumpri-lo... Vejamos, vejamos...

Anonymous disse...

Ei, eu acho que o anônimo das 16h11 está certo. vamos botar tudo e fazer uma panelada gente. É isso ai! Uma panelada para dar conta de tanta merda.

Franssinete Florenzano disse...

Parabéns, Fábio, por sua análise lúcida e corajosa.
Já a repercuti no Twitter. Agora vou publicá-la no meu blog.
Abração.

Fabio Fonseca de Castro disse...

Franssi e Marluce, Obrigado.

Anônimo das 18:19, vc tem razão, mas tb vamos considerar que, no PA, por alguma razão geológica, muita coisa é diferente.

Anônimos das 14:42 e das 20:42, parece q vcs têm informações interessantes. Por que não divide conosco?

Anônimo das 16:11, vc coloca as grandes questões. Acho que dá para traduzir assim: ser ou ter, eis a questão!

Anônimos das 22:41 e 22:42, segurem sua onda, ok?

Anonymous disse...

Vim aqui só para confirmar o que saiu no diário.
Parabens Fábio.
José Augusto.