20 agosto 2010

A resposta de Franklin Martins a Serra

Franklin Martins, ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, refutou, em nota oficial a acusação de José Serra (PSDB), de que o governo federal cerceia, constrange e censura a imprensa brasileira. Penso que é preciso desmascarar toda tentativa de disputa política baseada no terror e na mentira e que há somente duas maneiras de fazer isso: divulgação resposta objetiva e clara e ação judicial. Preferencialmente as duas juntas. Abaixo a íntegra da nota:
O candidato do PSDB a presidente da República, José Serra, acusou hoje (19/8) o governo federal de cercear, constranger e censurar a imprensa. Trata-se de uma acusação grave e descabida, sem qualquer apoio nos fatos.
A imprensa no Brasil é livre. Ela apura – e deixa de apurar – o que quer. Publica – e deixa de publicar – o que deseja. Opina – e deixa de opinar – sobre o que bem entende. Todos os brasileiros sabem disso.
Diariamente lêem jornais, ouvem noticiários de rádio e assistem a telejornais que divulgam críticas, procedentes ou não, ao governo. Jornalistas e veículos de imprensa jamais foram incomodados por qualquer tipo de pressão ou represália.
Para nós, a liberdade de imprensa é sagrada. O Estado Democrático só existe, consolida-se e se fortalece com uma imprensa livre. E, ao garantir a liberdade de imprensa no país, o governo federal sabe que está em perfeita sintonia com toda a sociedade. Ela é uma conquista do povo brasileiro.
Compreendemos que as paixões da campanha eleitoral podem, em determinadas circunstâncias, toldar julgamentos serenos, mesmo naqueles que dizem ter nervos de aço. Mas seria prudente que certos excessos fossem evitados. Ao dizer que o governo federal censura e persegue a imprensa, o candidato Serra não apenas falta com a verdade. Contribui também para arranhar a imagem internacional do Brasil, dando a entender que nossas instituições são frágeis e os valores democráticos, pouco consolidados.
Franklin Martins, Ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República

2 comentários:

Anonymous disse...

E o episódio local envolvendo o gov. Ana Júlia e a Rádio Tabajara. Qual sua opinião?

Fabio Fonseca de Castro disse...

Você viu a nota divulgada sobre o assunto pela assessoria da "Frente Popular Acelera Pará"? Você pode acreditar ou não no que está escrito lá. Em minha opinião, há fundamento para a representação formalizada ao TRE, que é qum tem competência para julgá-la. Agora, vc me pergunta: houve censura ou não? Nada indica que tenha havido censura. A PF e a Anatel fizeram uma operação e pronto. Não houve uma ação política do governo nesse sentido, até mesmo porque, além de ser um crime, seria um erro político absurdo, em pleno momento eleitoral. O que está claro é o aproveitamento e a exploração do tema pelos adversários.