23 agosto 2010

Tipo Pasolini, tipo Visconti

Assisti a Io Sono l'Amore, filme de Luca Guadagnino. A história se passa, um tanto simbolicamente, na passagem para o século XXI. Ainda que os personagens e a ambientação pertençam a esse grande estereótipo, jamais destruído, que é pertencerem a uma família italiana da alta burguesia industrial de Milão, o filme é muito interessante. Parte-se do cotidiano ritualista, algo típico a toda existência realmente burguesa e sua condição essencial de classe. Ritos meticulosos de vestir, comer, dar bom-dia, amar. Vai-se festejar o aniversário do patriarca e ele, por sua vez, pretende anunciar seu plano de sucessão na empresa da família. Tudo vai bem até aí. Sua família é legal: o filho, Tancredi, é dedicado à empresa familiar. A nora, Ema, é o modelo de esposa e mãe. Os netos, Elisabetta, Edoardo e Gianluca, são legais. Porém, chega na casa um visitante inesperado: Antonio, amigo de Edoardo, um jovem e charmoso chefe de cozinha. Então começa a desordem. Como se sabe, as famílias realmente burguesas esfacelam-se ao simples vento de uma novidade insólita. Pois não é que Ema apaixona-se perdidamente pelo cozinheiro Antonio? Quem conhece Pasolini aí encontrará muito Teorema. Mas, também, quem ama Visconti, encontrará o espírito precário de uma burguesia que se não alcança realmente nobre, ainda que o pretenda.

Nenhum comentário: