21 setembro 2010

Roteirinho para fazer política de direita

Ricardo Kotscho escreveu o seguinte sobre a tática de fabricação de escândalos que a mídia golpista brasileira chama de "fazer política":
O esquema é sempre o mesmo: no sábado, a revista Veja lança uma nova denúncia, que repercute no JN de sábado e nos jornalões de domingo, avançando pelos dias seguintes. A partir daí, começa uma gincana para ver quem acrescenta novos ingredientes ao escândalo, não importa que os denunciantes tenham acabado de sair da cadeia ou fujam do país em seguida. Vale tudo.
Como apenas 1,5 milhão de brasileiros lê jornal diariamente, num universo de 135 milhões de eleitores, ou seja, o que é quase nada, e a maioria destes leitores já tem posição política firmada e candidato escolhido, reproduzir as manchetes e o noticiário dos impressos na televisão, seja no telejornal de maior audiência ou no horário de propaganda eleitoral, é fundamental para atingir o objetivo comum: levar o candidato da oposição ao segundo turno, como aconteceu em 2006.

Um comentário:

Anônimo disse...

O Brasil é o único lugar do mundo em que pessoas, que se dizem idôneas, pedem demissão por causa de mentiras de uma revista...