27 dezembro 2010

Como vai ser o programa Cinema Perto de Você

Na entrevista, o presidente da Ancine também esclarece a respeito do programa Cinema Perto de Você, lançado em junho passado e que mobiliza investimentos da ordem de R$ 300 milhões do Fundo Setorial do Audiovisual, que se somam a cerca de R$ 200 milhões do BNDES, para expandir o parque de salas cinemas do Brasil. 

É um projeto ambicioso, com a meta de abrir 600 salas de cinema em quatro anos. Os recursos serão disponibilizados na forma de empréstimos e investimentos, juro zero, na sua condição mais favorável, e na condição um pouco mais apertada são os juros de 4%.

A idéia é instalar cinemas nas periferias das grandes cidades e nas cidades médias do interior (cidades com mais de 100 mil habitantes) e que não tenham nenhuma sala de cinema. O projeto vai procurar oferecer cinema em espaços onde há grande concentração de classe C. Mais um trecho da entrevista:
Caros Amigos – Quem vai construir essas salas de cinema na periferia?
Os empresários, os exibidores. O Estado vai disponibilizar crédito, vai disponibilizar investimento e o empresário, o empreendedor, qualquer empreendedor, não precisa ser um empreendedor tradicional do setor, pode apresentar projetos desde que esteja dentro das áreas-foco do programa.
Caros Amigos – Quais são essas áreas-foco?
Nós temos como área-foco… Nós fizemos um grande mapeamento das 39 cidades com mais de 500 mil habitantes no país. Pegamos essas cidades, são mais do que 39 com mais de 500 mil habitantes, são 42, 43, mas dessas, 39 têm salas de cinema. Nessas 39, nós fizemos um zoneamento dessas cidades levando em conta fatores como renda familiar, escolaridade e distância dos complexos cinematográficos pré-existentes. E nesses zoneamentos identificamos três áreas de investimento, que são três áreas de investimento para modular o patamar de juros e o patamar de dinheiro de investimento, ao lado do dinheiro de financiamento que a gente coloque nesses projetos. Além dessas 39 cidades, nós temos como foco do programa as 82 cidades com mais de 100 mil habitantes que não têm nenhuma sala de cinema. Esse também é um grupo-foco, prioridade do programa.
Caros Amigos – Essas cidades estão espalhadas por todo o Brasil ou estão concentradas na região sudeste?
Por todo o Brasil, todo o Brasil. E ainda há como terceiro grupo-foco do programa cidades com mais de 100 mil habitantes e menos de 500 mil habitantes que têm salas de cinema, mas que têm uma baixa presença nas salas de cinema. Depois disso, a gente tem uma escala de juros e de condições de investimento que modula outros fatores. Um desses outros fatores, por exemplo, para nós é prioritária a abertura de salas de cinema nas regiões norte e nordeste do Brasil. Por que? Porque o Brasil tem uma média de uma sala para mil habitantes, mas quando você vai para o norte do país, essa média sobe para uma sala para cada 200 mil habitantes. E quando você vai para o Nordeste, a média é de uma sala para cada 150 mil habitantes. Portanto, a gente fez também um zoneamento dessa natureza. O programa procura levar a sala de cinema para onde não tem, procura levar a sala de cinema mais perto dessa classe C emergente, que é o motor da economia brasileira. Nossas razões são razões, claro, de ordem de cidadania, da importância simbólica, da importância da cultura, mas tem um vetor de orientação econômica que é dizer aos empresários do setor audiovisual que eles precisam acompanhar o movimento de crescimento da economia brasileira e que só cresce hoje no Brasil quem aposta na emergência da classe C, que passa a consumir, a demandar.
Caros Amigos – As regiões norte e nordeste serão privilegiadas por terem menos salas?
As regiões norte e nordeste entram na prioridade 1. E prioridade 1 significa que o dinheiro do Fundo Setorial quando emprestado é oferecido com taxa de juro zero, ou seja, sem juros. Combinado com o dinheiro do Bndes, isso significa uma taxa de juros anual de 1,5%. Portanto, são condições especialíssimas, que não existem em nenhum outro lugar do mundo para esse tipo de investimento que estamos propondo.

Nenhum comentário: