20 setembro 2011

Demitam-se os justos! Tudo pelo efeito midiático!

O dirigente da Colônia AgrícolaAndré Albuquerque, exonerado ontem pelo Governador Jatene, já havia avisado, há 19 dias, que adolescentes estavam sendo usadas sexualmente pelos detentos.


Por que ele foi exonerado? Afinal, ele fez direito o seu trabalho. 


O mesmo aconteceu há duas semanas, quando o governador exonerou, sumariamente, a médica Maria do Carmo Lobato da presidência da Santa Casa.


Isso quer dizer três coisas:


1. Que o Governo Jatene sabia, há 19 dias, do que acontecia em Americano. E não fez nada. 


2. Que o Governo Jatene considera que pode resolver grandes problemas demitindo, simplesmente, dirigentes.


3. Que o Governo Jatene está governando por meio de reles ações midiáticas.

10 comentários:

Anônimo disse...

Excelente a postagem. Até parece que a determinação dessas ações começam na SECOM. É o efeito de um governo na Mídia. Mas por enquanto negativo.

Adelina Braglia disse...

Caro Fábio,

sabemos que os governos não são abstrações e o "governo Jatene" é composto por servidores de carreira e servidores temporários, em funções administrativas e de assessoramente e direção.

Neste caso, a sequência de exoneraçõescontempla, com justeza, a hierarquia de responsabilidades. Se houvesse a demissão de agente prisional como o grande culpado, aí seu post faria sentido e a "sensação" midiática também.

Quanto aos que fazem direito o seu trabalho,individualmente, é necessário que aprendamos que "fazer direito o meu trabalho" não necessariamente dá conta da obrigação coletiva- aí sim, dos governos - de responder pelo bem estar da população. Em todos os níveis e setores. E isentar-me de responsabilidade por fato grave mandando ofícios à granel, não impede que tragédias aconteçam, como esta já aconteceu.

Assim, se amanhã o IDESP divulgar uma informação que comprometa compromissos ou diretrizes de governo, quem deve ser demitida é a presidente e não o estatístico.

Abração.

Anônimo disse...

Só uma questão: como dirigente da Colônia Agrícola, o senhor André Albuquerque não teria autonomia para evitar ou resolver essa situação? Afinal, se ele já sabia, por que não tomou uma providência efetiva? Deixar que uma atrocidade dessas acontecesse, apenas comunicando o fato ao governo, é o papel de um gestor? Ele fez direito o seu trabalho?
Veja bem, não estou defendendo o governo, mas apenas dizendo que: os gestores têm, sim, responsabilidade pelo que ocorre dentro de cada órgão, caso contrário, de que adianta estarem ali? Para serem coniventes com o que está errado? Se o governo não tomou uma providência imediata, que ele, André Albuquerque, desse um jeito de afastar os policiais envolvidos nessa história, afinal, ele estava lá, presenciando tudo. Mas não, ficou esperando de braços cruzados, vendo as meninas serem abusadas. E agora ele foi o injustiçado?

Fabio Fonseca de Castro disse...

Ao Anônimo das 12h27,
A política deixou de ser uma atividade teatral, como antes, para se tornar uma atividade teledramatúrgica. É necessário buscar um equilíbrio, penso, para que a política não vire refém da comunicação.

Fabio Fonseca de Castro disse...

Caríssima Adelina,
Muito honrado de tê-la por aqui. Muito obrigado pelo comentário; suas colocações são sempre interessantes.
Minhas considerações são em torno de um fato midiático: o diretor foi demitido quando o assunto caiu na mídia, e não antes, quando a informação sobre o ocorrido fora produzida.

Fabio Fonseca de Castro disse...

Anônimo das 14h01,
Também gostaria de saber, e por isso faço da sua pergunta uma indagação também minha: Se ele poderia ter evitado, por que não o fez? O que faltou? Cabia exclusivamente a ele? Tinhas condições de evitar o pior? Gostaria também de ter essa informação. Pelo que foi noticiado, o diretor da Colônia produziu um documento demandando os reforços necessários para fazer seu trabalho. Seria, portanto, interessante ouví-lo. E, de fato, se podendo fazer ele nada fez, não deveria estar no cargo que ocupava. Correto? Alguém que deva fazer, possa fazer e não faça não deve permanecer no cargo que ocupa. Esse alguém deve passar o lugar a frente. O Pará tem problemas demais para ter gestores preguiçosos.

Anônimo disse...

Engraçado mesmo é que finalmente o PSDB tá dizendo para que veio. Bem que o governo do PT, que herdou esses problemas do PSDB - veja o caso da menina de Abaetetuba - lutou e, enquanto estava no poder conseguiu erradicar com essa prática, que, parece, contumaz do PSDB.

Anônimo disse...

se o fato ocorreu, como na Santa Casa, e se o governo considera seus gestores incompetentes depois que estoura a bomba, é porque o governo assim o é. foi a cúpula do PSDB que colocou estes administradores em cada Secretaria e órgão público estadual.

dito e feito!!!

Anônimo disse...

a lei da ação é reação é imbatível!

Anônimo disse...

O governo parece estar perdido no emaranhado burocrático e na falta de ação concreta. Por isso é compreensível que os gestores da área de comunicação procurem blindar o governante mesmo que tenha um efeito negativo. O que está ocorrendo com as demissões de pessoas sérias que estavam em um local na hora errada e no momento inoportuno.