05 dezembro 2009

Outra Amazônia 11: O que é o Novo Modelo de Desenvolvimento?

O que caracteriza o NMD é a compreensão de que para se alcançar um desenvolvimento real é preciso conjugar o crescimento econômico com o enraizamento social do desenvolvimento. O componente axiológico dessa estratégia é a redução das diferenças existentes entre os padrões educacionais, sanitários, habitacionais e econômicos que são experimentados pelos diversos segmentos da sociedade paraense e amazônica.
O projeto predador acredita que o crescimento econômico, por si só, é suficiente para alavancar o desenvolvimento e que o papel do Estado, nesse processo, deve ser somente o de criar as condições propícias para que o capital faça seu trabalho. Esse é o velho modelo de desenvolvimento.
Na verdade, isso que estamos falando é apenas a ponta de um imenso iceberg. Há muito mais na profundidade de cada projeto, mas só é possível compreender tudo isso se tivermos em mente que os dois modelos são projetos que se geram de experiências concretas do espaço amazônico. Então, para entender a fundo as duas propostas, os dois projetos, temos que entender as grandes forças históricas que estão por trás deles. Os projetos resultam de interpretações sobre o que são essas forças, resultam de vivências amazônicas.
Por isso, antes de aprofundar a compreensão sobre os dois projetos, vamos entender melhor o que é o espaço amazônico, sobretudo o espaço paraense.

3 comentários:

Anônimo disse...

Essa coisa de "novo modelo de desenvolvimento" era o discurso do governo Ana Júlia no seu começo, nos seus primórdios. Você mesmo, Fábio, falava sobre isso o tempo todo quando você estava na Secretaria de Governo, na coordenação câmara que hoje é de responsabilidade do Cincinato. Porém, depois, todo mundo esqueceu disso. A governadora parou de falar no assunto e os secretários que tinham esse discurso na ponta da língua, que era o Maurílio, o Puty, a Ana Cláudia e você mesmo, foram mudando de posição. O que isso representa? Um recuo do chamado "grupo dos acadêmicos"?

Anônimo disse...

Não anônimo das 17:00! Significa que alguns desses secretários, como o Maurílio e o Puty, já haviam conseguido o que queriam; a hegemonia no governo. Não presisavam mais fazer usos de discursos de NMD como cavalo de batalha!! No entanto, ficaram por algum tempo ainda aqueles que realmente acreditam na proposta: como o Fábio e a Ana Cláudia... Pena que por pouco tempo!!

Anônimo disse...

A verdade é que o projeto político, sempre circunstancial e sempre cedendo às pressões, subjugou o projeto de Estado. O anônimo das 17:00, pelo que eu entendi, está dizendo isso, simplesmente isso. O anônimo das 17:14, por sua vez, está, simplesmente, constatando a mesma coisa: que o governo Ana Júlia usou o discurso do NMD quando precisou de uma fala inaugural e depois abandonou a coisa. E que alguns secretários mais da política continuaram a usar o discurso mais algum tempo, se valendo dele para conquistar hegemonia. Ou seja, o NMD, no governo Ana Júlia, sempre foi uma fala vazia, apenas materializada como objeto de poder.