04 março 2011

Existe, na arte do nosso século, mais do que na dos antecedentes, alguns momentos decisivos. Sob este aspecto, o nosso século tem afinidades com o século XV. Assim, em certos momentos, objectos extraordinários marcaram pontos decisivos, ‘pontos de não retorno’. Houve momentos em que as perguntas foram formuladas e as respostas dadas. Quando estas questões são colocadas de um modo claro, não é possível voltar para trás. As respostas são ‘incontornáveis’, não é possível torneá-las. Os resultados são irreversíveis.


Pontus Hulten, Territorium Artis (cat. de exposição), Bonn, Verlag, 1992.

Nenhum comentário: