13 setembro 2011

Terruá Pará: farra na casa alheia com dinheiro público

No blog do deputado Bordalo, está-se discutindo a questão do Terruá Pará. Reproduzo o centro do debate:
O Governo Jatene e a Presidenta da FUNTELPA, Adelaide Oliveira, confundem política de governo, política cultural, ação de marketing para divulgação da produção musical no Pará
Veja a íntegra do texto aqui.

Essa reflexão é bem interessante e merece ser desenvolvida. O deputado está levantando um tema essencial para o debate sobre políticas de comunicação, políticas de marketing e políticas culturais. É preciso lembrar que não são a mesma coisa. Os recursos públicos da publicidade devem ser usados para a divulgação da ação de governo. Qualquer gasto, nessa rubrica, que fuja a essa regra, merece ser averiguado pelo Ministério Público.

Penso que é preciso discernir entre os diversos custos referidos, à bem do interesse público. Se isso não está sendo feito - e parece que não está - como disse Bordalo, tem-se aí, de fato, um caso de ALOPRADOS.

O que NÃO PODE, em nenhuma circunstância, é usar recursos da rubrica destinada à Publicidade das Ações de Governo - e esse é um dinheiro carimbado, um dos mais carimbados de todo o orçamento do Governo Estadual - para custear ações de Difusão Cultural e fazer farra na casa alheia.

10 comentários:

Anônimo disse...

Olhe professor, eu não quero saber que m...a de rubrica é essa. eu quero é saber que o dinheiro desse povo aqui tá sendo gasto pra palhaço se amostrar por lá e levar dinheiro nosso. Ohhh gentinha tupiniquim mesmo, quem eles querem agradar? paulista? tão tentando conquistar mercado lá com nosso dinheiro porque não tem competência para conquistar nem aqui nem lá.

Anônimo disse...

kkkkkk! terruá só aqui mesmo! Esse povo não tem nem criatividade. Melhor se fosse jabá. Seria até mais digno!

Anônimo disse...

Olha Cara, esse povo daqui adora o Terruá. É terruazão. E daí que a farra é na casa alheia, o que tu tens haver com isso? Vai farrear meu irmão. Vai curtir, te mira neles, eles é que estão certo, tão curtindo, e daí?

Anônimo disse...

Caro Fábio, acho que deves estar enganado, eles tem muito tempo de governo, de experiência, não iam fazer uma coisa dessas.
J.J.

Anônimo disse...

Uma graça mesmo é embaixo desse post aparecer uma foto dos governadores Jatene e Almir com uma... parece cerpa? na mão?

Anônimo disse...

Eu não entendo se promove a cultura, não pode porque é com dinheiro publico se não promove é porque é omisso.
Realmente não dá para entender.

Anônimo disse...

Eu não entendo se promove a cultura, não pode porque é com dinheiro publico se não promove é porque é omisso.
Realmente não dá para entender.

Anônimo disse...

amado mestre..o sr fica levantando suspeitas sobre os outros sem olhar pro próprio umbigo? vamos testar o seu espírito democrata.Vamos ver se o sr publica meu post.Antes de se preocupar com a destinação de verbas públicas que o atual gestor da secretária do qual o sr foi retirado porque fez besteira, o sr deveria explicar aqui os motivos do TCE estar atrás do convênio que o sr fez com a Sespa,este sim, totalmeente irregular.
Já que o sr fala de verba carimbada, justifique aqui pros seus leitores o que os aloprados do seu governo e da sua secretaria, estes sim aloprados de verdade, fizeram com as verbas do escândalo dos kits escolares que foram pagos com verba de publicidade e por isso sofrem ação do ministério público.
Amado mestre!se explique

Fabio Fonseca de Castro disse...

Ao Anônimo das 23:25,

1. O Convênio Secom/Sespa, feito em 2008, nada teve de irregular. Sendo regular, o TCE questionou dois pontos: o fato da Sespa não ter produzido "relatório conclusivo" e o fato da Secom, por sua vez, em função disso, ter entregue fora do prazo o seu relatório - já que dependia do relatório da Sespa para produzir o seu.

2. Os "kits" da Seduc nunca foram pagos com verba de publicidade. Eu nunca aceitei fazê-lo, quando se pediu que o fizesse. Justamente porque prezo meu nome e respeito a legislação. O Ministério Público nada questiona, a mim ou à Secom, sobre essa assunto.

3. Em minha gestão na Secom as verbas de publicidade foram usadas sempre corretamente e de maneira transparente. Minhas contas estão e sempre estiveram limpas.

Portanto, é você que está desinformada e que deveria se informar melhor, antes de falar bobagem.

Anônimo disse...

Os da 23:25 fala e não assina embaixo. Além de desinformado me parece burrinho. Parabéns professor.
J.J.