13 novembro 2011

A dimensão ideológica da campanha do Não: a obtusidade da idéia de "paraensismo"

O que coloquei nos dois posts anteriores (aqui e aqui) são, apenas, ligeiras observações, na luta tática pela afirmação de tendências latentes de voto. Só isso. São observações feitas com a perspectiva, sempre manipuladora, da comunicação.

Agora, eu queria, na verdade, é fazer observações sobre a dimensão ideológica da campanha do Não.

Que está uma merda! Uma grande merda! Olhem que guardo palavrões para ocasiões que realmente mereçam seu emprego. Sou comedido deles porque respeito sua eficácia simbólica, como sabem os que me conhecem mais de perto… (isso é humor, se não esclareço ainda vão me criticar por bobagens como essa, como de vez em quando acontece aqui no blog).

E o caso, infelizmente, é que a ocasião merece seu emprego.

Por que? Porque acho a coisa mais ridícula esse negócio de “paraensismo”. Uma burrice extraordinária. Um cinismo antológico. Uma arrogância histórica.

Eu não quero a união do Pará porque o estado tem “vocação para a grandeza”, porque “tem uma cultura maravilhosa” ou porque “juntos seremos imbatíveis”.

Não digo “não” porque tenho alguma “vontade de potência”…

Quero a união do Pará porque acredito que precisamos de um projeto de sociedade, e não de um projeto ridículo e diminuto de comunidade.

Acredito na diversidade, não na padronização. Penso que a dinâmica cultural está baseada no múltiplo, no híbrido, no imperfeito e no encontro. Nunca, jamais, na afirmação do mesmo.

E, porfim, quero a união do Pará porque percebo que os projetos do Sim são oportunistas e tentaram abocanhar o que podiam do Pará remanescente.

Também voto do Não porque o Pará remanescente seria um estado extremamente pobre, quase inviável.

Agora, esse negócio de ficar elogiando um tal de paraensismo, que, de resto, não existe senão em mentes pesarosas e apocalípticas, é de uma mediocridade à toda prova.

É um pensamento torpe, que só pode surgir e se nutrir à partir de uma visão de classista da realidade.

Esse negócio de paraensismo alimenta a barbárie, a raiva e a ignorância.

Para mim, é coisa das elites mais sórdidas e dos artistas mais medíocres. Dos intelectuais mais conservadores. Das classes medias mais desinformadas e convencionais. Dos idiotas mais idiotizados e dos imbecis mais imbecilizados de que se possa ter notícia neste eternamente infeliz Pará.

Acho uma grande pena que a campanha contra a divisão tenha enveredado por esse caminho, que não tem futuro e nem tem passado. Se continuar por aí, pode até garantir a união – já que está manipulando emoções e sentimentos torpes –, mas vai perder o bonde da história: vai perder a oportunidade de aproveitar este “fundo do poço” em que estamos para construir uma sociedade realmente nova e que daí poderia surgir.

19 comentários:

Anônimo disse...

A campanha do Não está muito ruim, infelizmente. Você aborda as duas dimensões negativas dela: está ruim na forma e no conteúdo. Na forma da comunicação e no conteúdo, com esse negócio de paraensismo.

Anônimo disse...

Parece que a campanha do não está num clima de já ganhou. Qual será o problema? Muito chefe? O que explica tanta falta de entusiasmo?

edson coelho disse...

caramba! agressivo, mas quanta verdade. nos coloca em xeque diante diante de nossa história - de onde viemos, onde estamos, para onde vamos (ou queremos ir). vale por uma poética - mais, vale por uma manifesto, político, econômico, artístico, sociológico. não é passando a mão em nossa cabecinha que vamos dimensionar e resolver questões gigantescas, e num momento em que a história passa tão palpável à nossa frente.

Anônimo disse...

égua da porrada... tô saindo de baixo... vendo assim até eu concordo que a campanha tá uma MERDA! Mas não digo quem sou eu não... já tô até cum vergunha!

Ricardo Rosseti disse...

Os separatistas prometem riquezas, empregos e outras maravilhas, porém tudo é incerteza. Quando se divide um Estado, não se divide apenas geograficamente, divide-se toda uma cultura, tradição, história, famílias que lutaram para alcançar o que já foi alcançado.

Lourdes Mesquista disse...

Olá professor Fábio,

Boa provocação. Destaco uma frase sua como sendo extremamente elucidativa da situação:

"Quero a união do Pará porque acredito que precisamos de um projeto de sociedade, e não de um projeto ridículo e diminuto de comunidade".

E aproveito para lhe perguntar qual seria, exatamente, a diferença entre essas duas posições. Muitas coisas passam pela minha cabeça, e a frase continua martelando, desde que a li, há umas duas horas. Resolvi voltar aqui para lhe fazer essa perguntinha.

Abração, professor,

Lourdes.

Anônimo disse...

Mais polêmica, mais polêmica...

Anônimo disse...

Sua crítica à campanha do Não é contundente. Ao fazê-la não está fornecendo argumentos para a campanha do Sim? Não há uma contradição aí?

Prof. Cláudio Martins disse...

Com certeza, as campanhas estão ruim. O "não e não", pela arrogância e falta de inteligência na defesa pela não divisão. O "Sim" (tem dois "sim": Tapajós e Carajás - o que deveria ficar bem claro não fica), está inteligente e argumentativo, mas não explicar de forma simples os argumentos para quem tem dificuldade em entender a necessidade da divisão. Mas, se olharmos a histórica luta de autodeterminação, Tapajós merece por tudo que passou e passa... Ocorre que Tapajós encampa Xingu e, em curto e médio prazo, será um estado falido, onde 90% do seu território é inviolável (terras protegidas e da união), o que eles não conseguem explicar é como tornar-se viável como estado. Carajás, essa é uma divisão oportunista e conduzida por "estrangeiros" e a Vale...
Precisamos fazer todas as leituras desse momento, que é único, e dificilmente teremos nos próximos anos condições de retomar essa discussão.

Fabio Fonseca de Castro disse...

Caro Edson Coelho,
Legal seu comentário, valeu. Tenho uma tia que telefonou para dizer que eu estava agressivo nesse post. 85 anos e a história também passa por ela.

Fabio Fonseca de Castro disse...

Prezado Ricardo,
Seu comentário é muito correto. Acrescentaria: divide-se ainda a complexidade, as tensões, as incoerências - que são, também elas, e apesar de ter gente que pensa o contrário, coisas muito ricas.

Fabio Fonseca de Castro disse...

Dona Lourdes,

Um projeto de sociedade é um projeto amplo, que ousa pensar o futuro e que admite a complexidade social, respeitando-a como um fato construtivo.

Um projeto de comunidade é um projeto aberto para o passado e fechado para o futuro. É um projeto conservador, que se fecha sobre si mesmo, negando a diversidade, a diferença, o confronto inerente ao processo social e toda forma de mudança.

Sua "releitura" me honra, dona Lourdes!

Abraço.

Fabio Fonseca de Castro disse...

Professor Cláudio Martins,

Eu penso que o Tapajós seria constituído, na verdade, por três blocos sociogeográficos bem diferentes: o Baixo Amazonas (centrado em Santarém mas cujo eixo dinâmico é a Calha Norte), o Xingu (centrado em Altamira e que enfrentará os dilemas causados por Belo Monte) e o Alto Tapajós, (centrado em Itaituba, mas com forte tendência de crise socioambiental ao longo da 163).

Além de tudo, a questão da inviabilidade que vc aponta (terras protegidas e da união) teria um peso decisivo no processo desse estado, se criado.

De fato, o Tapajós, se criado, viveria uma tensão política constante: de um lado o difícil desenvolvimento sustentável (que sempre exige uma base institucional forte e sólida) e de outro a pressão da economia predatória.

Anônimo disse...

Parabéns pelo posicionamento, professor.
Coragem para criticar os erros do Não e respeitar os acertos da campanha pelo Sim!
Isso mostra que dá para debater debater entre irmãos, sempre com respeito e tolerância.
Somente assim teremos um Pará realmente grande. Unido de verdade!
Precisamos de vozes que ajudem a ponderar, e não de discursos que são, ao mesmo tempo, inflamados e vazios.
Mais uma vez parabéns.
Dr. Abel.

Fabrício Queiroz disse...

Aliás, uma dúvida, professor. Quando a campanha do Não exalta o Paraensismo não corre o risco de inflamar o desejo de separação, já que de certa forma está "oprimindo" aquilo que não faz parte do que seria a legítima manifestação da cultura paraense?

Anônimo disse...

Seu comentário sobre a campanha do Não está uma merda. Uma grande merda. Ninguém falou em paraensismo nessa campanha e o que se vê são referências fortes de que a área que restaria ao Pará seria tão pequena que poderia ser chamada de Parazinho. Quanto a utilização das culturas - no plural - e das belezas e tradições do hoje Estado do Pará, é um dado a favor do não. A campanha do Sim trata essas questões como se não fossem importantes. São, sim,e tem grande apelo popular, pricipalmente no
território que restaria ao Pará que,aliás, é o de maior densidade eleitoral. Sei de sua grande experiência em marketing político e fico curioso em vê-lo tão equivocado nessa campanha.

Fabio Fonseca de Castro disse...

Ao Anônimo das 16:56,

Esse post fala sobre a dimensão ideológica presente na defesa de um Pará grande, um tema central tanto na campanha em TV e rádio da frente pelo Não como também no imaginário geral de defesa do Não.

Você viu os dois posts logo anteriores? Eles reportam, diretamente, à campanha. Neles, menciono os pontos positivos que vc assinala.

Penso que é preciso separar a eficácia simbólica de uma campanha midiática da dimensão simbólica presente na cultura, na sociedade. Não são a mesma coisa, apesar de muitos profissionais da comunicação desejarem que sim. A primeira tende a reproduzir ou a procurar firmar um senso comum, que funciona com base em simplificações. Já a dinâmica cultural é sempre mais complexa.

Minha crítica é mais propriamaente à dimensão ideológica, e não ao fazer prático da campanha ou às estratégias da campanha. Entendeu?

Grande abraço e fique em paz.

Anônimo disse...

Ah, fábio, faça-me o favor! Vai te meter nos teus assuntos. Tu não tens mais nada pra fazer além te meter onde não foste chamado? Ficas dando piteco na campanha do Não em vez de fortaleceres nossos argumentos! E ainda dizes que votas no Não! Não percebes que fazendo críticas como essas só fortaleces o inimigo? Putz, não dá pra ter um mínimo de bom senso, cara?

Fabio Fonseca de Castro disse...

Anônimo das 22:08,

Seu comentário é absurdo, você tem consciência disso?

É óbvio que tenho todo o direito de "me meter", como você diz, no debate sobre a divisão do Pará. Sou paraense, voto aqui e estou preocupado com os rumos da campanha.

E "dou pitaco" porque essa campanha anda muito "tucana", excessivamente emotiva e sem elementos consistentes que permitam uma discussão sobre o tema - como se a população não fosse minimamente politizada.

Você, que se julga dono do "bom senso", deveria saber que o bom senso se constrói por meio da discussão aberta e franca, democraticamente.

Você deveria trabalhar mais - na campanha do Não, pelo visto - em vez de exigir que as pessoas sigam, simplesmente, um direcionamento que, evidentemente, está equivocado.