Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2005

Chamada para a aula de 6 de abril

Seminário permanente de Sociomorfologia Tema: Flâneries contemporâneas: vagabundagens iniciáticas na pós-modernidade. Resumo: É bem conhecido o tema do flâneur – o personagem emblemático da modernidade, discutido por W. Benjamin – mas pouco se reflete sobre o destino desse personagem, bem como da flânerie, na contemporaneidade das grandes cidades. Poderia, a figura do flêneur, ser simplesmente transferida para as metrópoles contemporâneas ou ela estaria associada, definitivamente, ao período histórico tematizado por Benjamin? O seminário procura apresentar uma hipótese de trabalho considerando a questão: o flâneur, na metrópole contemporânea, teria sido substituído pelo “viajante metropolitano”, o indivíduo que pratica, cotidianamente, uma transumância entre a periferia e o centro da metrópole, ou seja, entre seus lugares de residência, trabalho e lazer. Os boulevards corresponderiam às atuais linhas de metrô, trens urbanos e auto-estradas e as galerias e vitrines encontrariam uma corr

Seminário permanente de Sociomorfologia

Reunião do dia 16/03/2005 Tema: As representações sociais. Representações sociais são construções sociais do pensamento: a maneira como as pessoas, individualmente ou em grupo, conhecem e instrumentalizam o mundo. O termo tem sua origem na sociologia durkheimiana, que fala em simbolismo social, idealizações coletivas. Seu uso moderno foi elaborado pelo sociólogo francês Serge Moscovici. De acordo com Moscovici, as representações sociais consistem em “Conjuntos dinâmicos de teorias ou de ciências coletivas sui generis, destinadas à interpretação e à descrição do real. (...) Um corpus de temas, de princípios, tendo uma unidade e se qplicando a zonas, de existência e de atividade, particulares (que) determinam o campo das comunicações possíveis, dos valores ou das idéias presentes nas visões partilhadas pelos grupos e que regem, a partir de então, as contudas desejáveis e admissíveis”. Essas ciências coletivas estabelecem-se em função da ação social, possuindo, por isso, um caráter prátic