Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2012

Projeto que altera padrão de construções condena Belém ao caos

Mais uma do vereador Gervásio Morgado: um projeto de sua autoria propõe aumentar o gabarito para construções ao longo da av. Almirante Barroso, chegando até o entorno do chamado Entroncamento - o bairro da Cabanagem, para o  modelo M16 . Isso significa  incentivar a construção de prédios de escritórios,  hipermercados, e shopping centers, permitindo construir três vezes a área de cada terreno. Assim, dependendo da forma e da área do lote, poderiam ser erguidos prédios de até 40 pavimentos ou com 30 mil m² de área construída. Pode-se imaginar o caos que seria causado pela aprovação desse projeto  numa área já caótica em termos de mobilidade e acessibilidade urbana. Trata-se, afinal, do principal nó urbano da cidade, uma área sem calçadas, ciclovias, passarelas ou estacionamento .  Essa   área, como se sabe, já possui um grande número de empreendimentos de comércio e serviços: feiras, centros de abastecimento, centros comerciais e outros. Se nada disso incentiva o poder público a agir,

A ataraxia do meu pai

O recesso ao qual se submeteu este blog, nos últimos dias, se deve à necessidade que tive de acompanhar meu pai, numa longa internação, em um hospital. Qualquer finitude de vida é intempestiva, mas também não deixa de ser um fato quotidiano. E isso sem considerar que uma única vida pode possuir muitas finitudes. Aliás, o caso de meu pai, quando teve um AVC, há oito anos. Evento que, curiosamente, o lançou numa espécie de ataraxia, ou seja, plenitude de alma, plenitude de temporalidade, pelo fato de que permitiu-lhe lançar-se numa atividade furiosa de releitura dos livros que amava. Sujeito de sorte, o meu pai. Oito anos de releitura, relendo sua biblioteca inteira, ao ritmo de um livro por dia. Sujeito de sorte. De qualquer forma, tratam-se, estes últimos dias, de apenas mais uma etapa de sua finitude. Não a definitiva. Apenas mais uma, com os processos paliativos devidos e com um imaginário de éter que, recuperando o que dizem as Escrituras, constitui o odor predominante na quinta es

As 10 perguntas humilhantes que a Rede Globo sempre faz por ocasião dos acidentes e catástrofes

A Globo e sua humilhação característica com pessoas que passam por tragédias: 1 - "Você está indo reconhecer o corpo, está sentindo o quê?" 2 - "O que está sentindo com o passar do tempo e não ter resposta?" 3 - "O que você sentiu naquele momento de dor e aflição?" 4 - "O que vai ser da sua vida agora???" 5 - "Você foi o único sobrevivente, está sentindo como se nascesse de novo?" (o caso do rapaz da foto, Alexandro Santos) 6 - "Você está grávida e conseguiu se livrar, sua filha vai se chamar Vitória?" 7 - "... tinha seguro?" 8 - Você está feliz aqui?" (pergunta feita para crianças, às vezes em abrigos, quando não sabem dimensionar o que a família passou/perdeu) 9 - "Passados tantos dias, já perdeu as esperanças?" 10 - "O que você gostaria de dizer neste momento para as pessoas que estão te vendo?" ou "O que você diria neste momento para aqueles que não sobreviveram?&q

Papo cabeça com os eleitores de José Serra

Serra promete dobrar o Bolsa Família.  Prova aqui Serra promete décimo terceiro para Bolsa Família.  Prova aqui Via blog Quanto Tempo Dura .

O Grileiro vencerá?

Mais uma investida contra o jornalista paraense Lúcio Flávio Pinto, na infindável batalha que ele trava com aqueles que transformam o bem público em particular.      O Grileiro vencerá? Lúcio Flávio Pinto (11 de fevereiro de 2012) Como já é do conhecimento público, em 1999 escrevi uma matéria no meu Jornal Pessoal denunciando a grilagem de terras praticada pelo empresário Cecílio do Rego Almeida, dono da Construtora C. R. Almeida, uma das maiores empreiteiras do país, com sede em Curitiba, no Paraná. Embora nascido em Óbidos, no Pará, Cecílio se estabeleceu 40 anos antes no Paraná. Fez fortuna com o uso de métodos truculentos. Nada era obstáculo para a sua vontade. Sem qualquer inibição, ele recorreu a vários ardis para se apropriar de quase cinco milhões de hectares de terras no rico vale do rio Xingu, no Pará, onde ainda subsiste a maior floresta nativa do Estado, na margem direita do rio Amazonas, além de minérios e outros recursos naturais. Onde também está sendo construída a hid

A greve geral em Portugal... ao ritmo de Michel Teló...

Carnaval

No divino impudor da mocidade, Nesse êxtase pagão que vence a sorte, Num frêmito vibrante de ansiedade, Dou-te o meu corpo prometido à morte! A sombra entre a mentira e a verdade… A nuvem que arrastou o vento norte… - Meu corpo! Trago nele um vinho forte: Meus beijos de volúpia e de maldade! Trago dálias vermelhas no regaço… São os dedos do sol quando te abraço, Cravados no teu peito como lanças! E do meu corpo os leves arabescos Vão-te envolvendo em círculos dantescos Felinamente, em voluptuosas danças… (Florbela Espanca, in ‘Charneca em Flor’)

O que a Campus Party tem a ensinar aos pedagogos e aos burocratas da educação

Ontem aconteceu a palestra de Sugata Mitra na Campus Party. Mitra é professor e pesquisador no Massachusetts Institute of Technology (MIT), onde investiga relações entre tecnologia e educação.  Nada mais apropriado, porque a Campus Party chega, em sua 5ª edição no Brasil, com uma grande novidade: o Educaparty, evento que teve sua primeira edição em Valência, na Espanha, e que tem o objetivo de aproximar a educação dos avanços das recentes inovações em tecnologias digitais.  É óbvio que a educação do futuro terá um componente tecnológico centrado na convergência midiática e digital. É óbvio mas não tanto assim, infelizmente, para muita gente.  Quem pensa em educação precisa, neste momento, dar uma espécie da pulo do gato na direção dessa convergênia.  É hora de ser um pouco louco, meio visionário e usar a criatividade para antecipar esse futuro. Com isso, a educação pode ganhar velocidade, antecipar e maximizar resultados que, no fluxo normal, levariam ainda muitos anos.  Há 15 ano

Vamos comprar a Capela Pombo

Vamos comprar essa idéia? Amigos blogueiros, No dia do Aniversário de Belém, o Fórum Landi da UFPA lançou uma campanha para arrecadação de recursos chamada  crowdfunding , muito comum hoje em dia na web, na qual os interessados financiam uma dada iniciativa. No dia do seu lançamento, a campanha foi muito badalada e debatida nas redes sociais, mas agora a coisa esfriou. Sabemos que o valor pedido pelo proprietário para a compra da capela Pombo é exorbitante, dificilmente alguém ou alguma empresa estará disposta a pagar esse valor por um bem tombado e que não pode ter outra utilização. Porém, reconhecemos que o proprietário deve receber justa contrapartida monetária. Entendemos também que, tratando-se de um bem, patrimônio da cultura nacional atribuído a Landi, a responsabilidade pela sua conservação e manutenção deve ser da sociedade e do Estado. O objetivo da campanha é, portanto, criar uma nova consciência e responsabilidade da cidadania por

Sobre o poder Judiciário, seu corporativismo e a vitória do bom senso

Uma nota sobre a “crise do Judiciário” e sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de manter as atribuições originais do Conselho Nacional de Justiça (CNJ): 1. Essa decisão é algo extremamente importante para a democracia brasileira. A crença de que juízes não precisam ser julgados é uma falácia. Os juízes vêm da sociedade e dela trazem vícios e sintomas. Não estão acima do bem e do mal. Portanto, precisam ser fiscalizados, vistos, criticados pela sociedade civil. A decisão derruba essa tese e, com isso, fortalece a democracia. 2. Aos olhos da sociedade civil brasileira, a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), com seus 1,9 mil juízes e cerca de 360 desembargadores, radicalmente refratária a todo controle externo, ficou parecendo um sindicato com ares mafiosos. Seus argumentos pareceram canhestros e limitados. Em síntese, ditados por interesses pessoais e pelo corporativismo de uma classe que, se não for fiscalizada efetivamente, vai provocar uma sensação de

Alfredo Costa prefeito de Belém. Opinião do blog sobre as prévias e sobre o cenário que delas resulta.

Alfredo Costa foi escolhido candidato do PT à prefeitura de Belém. Iniciamos agora, é claro, um processo de construção da sua candidatura. Total e irrestrito apoio ao Alfredo, que é um candidato excelente, com chances concretas de recuperar a prefeita para o partido. Parabéns a todos os petistas, que fizeram um debate honesto e justo. Os rompantes de paixão acontecidos são irrelevantes no conjunto do processo. Minhas observações a respeito do processo e do que virá por aí são as seguintes: 1. As prévias mobilizaram a militância e produziram reflexão, por meio dos debates, das discussões nas redes sociais e blogs e no diálogo geral entre as tendências e os militantes. Esse diálogo ajudou a reconstruir a unidade interna do partido, à medida em que permitiu, num plano racional, que grandes temas fossem debatidos; e, num plano subjetivo, que ressentimentos internos fossem enunciados. Ao contrário de muitos, penso que isso faz parte do jogo e que é algo saudável: precisa ser dito para s

Strange fruit

Southern trees bear strange fruit Blood on the leaves and blood at the root Black bodies swinging in the southern breeze Strange fruit hanging from the popular trees Pastoral scene of the gallant south The bulging eyes and the twisted mouth Scent of magnolias, sweet and fresh Then the sudden smell of burning flesh Here is fruit for the crows to pluck For the rain to gather, for the wind to suck For the sun to rot, for the trees to drop Here is a strange and bitter cry

Da Anistia Internacional, sobre a violência contra as mulheres

Ditados populares na versão acadêmica

Considerações sobre as prévias do PT

1. As duas candidaturas e a questão da unidade partidaria Conheço Alfredo Costa e Cláudio Puty há muito tempo e minha opinião é que ambos são excelentes quadros do PT e possíveis excelentes prefeitos para Belém. Pretendo acreditar que o grupo derrotado nas prévias, no próximo dia 5, irá apoiar integralmente a indicação do candidato escolhido e que, portanto, há um tema superior, já maduro no Partido, e que transcende a disputa interna de projetos: a importância da unidade partidária como instrumento estratégico para que o PT realize seu compromisso histórico. Obviamente que há paixões na militância, localizadas, que fazem com que, de ambas as partes, ataques pontuais, de caráter pessoal, sejam feitos. Isso é compreensível, no contexto de uma disputa, sobretudo depois do fracasso da reeleição do governo, em 2010, ferida obviamente (e necessariamente) não cicatrizada. Porém, é preciso superar essas paixões e caminhar de maneira racional, sem perder de vista o projeto comum, com