Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2020

Rebelião no dia das mães

Cresci com a interdição de referir o dia das mães. Era uma norma doméstica, imposta pela sabedoria de meu pai, sempre implicante contra o que considerava como “afetos vulgares do capitalismo”. “Escolher um único dia para homenagear uma mãe é um símbolo maior da decadência ocidental”, repetia meu pai, muito incomodado e retórico, completando o raciocínio de maneira indignada: “Reduzir uma mãe a um dia, a um presente, é a pior maneira de ofendê-las! Significa reduzir a pouquíssimo a pessoa mais importante da vida de cada um. Significa reduzir as mães a uma condição simbólica apenas efemérica!” Efetivamente, ninguém dava muita bola para as revoluções de meu pai, mas nem que fosse para termos paz, fingíamos concordar com ele, e toda a família conseguia comemorar o dia das mães sem que ele percebesse, exatamente, o que estava acontecendo. Ah, meu pai... Suas controversas, críticas e cataclismáticas opiniões sempre foram mal-compreendidas. Mesmo por mim, tão interessado na alheia hermenêutic

Um blog para refletir sobre a pandemia a partir de nossa experiência de pesquisa

Car@s, nosso grupo de pesquisa, o SISA (Socialidades, Intersubjetividades e Sensibilidades Amazônicas) – Ppgcom-Ilc / Ppgdstu-NAEA – fez um blog para refletir sobre a pandemia a partir de nossa experiência de pesquisa. Talvez seja tempo de “converter” nossas pesquisas, inclusive nas ciências sociais, para pensar essa nossa experiência comum, afinal estamos no mundo da vida, escrevemos nela, por meio dela e com o cuidado dela. Convido tod@s a darem uma olhada no Cadernos do SISA, gentilmente hospedado na plataforma científica francesa hypotheses: https://sisa.hypotheses.org/ As questões que começamos a construir são as seguintes: Quais as práticas de sociabilidade possíveis em tempos de pandemia? De que maneira a experiência da pandemia e, especificamente do confinamento, transformarão as formas da sociabilidade em nossas sociedades? Como se produzem e reorganizam as sensibilidades diante dos enfrentamentos produzidos pela pandemia? Como a pandemia transforma o mundo da vida, o quotidia