Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2011

EUA acabam de cortar seu financiamento para a Unesco

Na manhã de hoje a Unesco aprovação a filiação da Palestina na instituição, recebendo-a como novo membro pleno. Poucas horas depois, os Estados Unidos informaram que interromperam seu financiamento agência, braço cultural e educacional da Organização das Nações Unidas. A porta-voz do Departamento de Estado norte-americano Victoria Nuland disse a repórteres que os EUA não tinham escolha a não ser suspender os financiamentos por causa da lei norte-americana, dizendo que Washington não faria a transferência de 60 milhões de dólares planejada para novembro. A Unesco é a primeira entidade da ONU à qual os palestinos buscaram adesão como membro pleno desde que o presidente Mahmoud Abbas fez o pedido à ONU para ser um Estado-membro completo da organização, em 23 de setembro. Estados Unidos, Canadá e Alemanha votaram contra o pedido dos palestinos na Unesco. Brasil, Rússia, China, Índia, África do Sul e França votaram a favor. A Grã-Bretanha se absteve da votação. Vários programas nas área

Os oligopólios e monopólios são o entrave à liberdade de imprensa

Na última semana, durante a realização do seminário Liberdade de Imprensa e Poder Judiciário, promovido pela Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (AJURIS) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ), o presidente da Ajuris, João Ricardo dos Santos Costa foi enfático ao criticar o sistema de comunicação brasileiro e a grande imprensa. O site Sul21 entrevistou-o sobre o tema e também sobre outras polêmicas que envolvem o poder judiciário no Rio Grande do Sul e no Brasil. Segue um excerto: Sul21 – O senhor afirma que os monopólios e oligopólios são uma ameaça à liberdade de imprensa e de expressão. Mas a Justiça não poderia fazer mais para limitar a formação de monopólios no setor da comunicação? João Ricardo – Eu concordo contigo. Não sou eu que digo que os oligopólios e monopólios são o entrave à liberdade de imprensa. São todos aqueles que se debruçam e criticam hoje a falta de democratização da informação no mundo inteiro. Entre estes críticos existem jornalistas, sociólogos,

Teias da mídia 2

Para não deixar de citar Emir Sader, na Carta Maior, que também se dedicou ao caso: Desde a crise de Palocci, ao longo de seis meses, o governo tem sido pautado pela mídia. Dá para fazer a periodização do governo, conforme os casos na berlinda pelas denúncias da mídia.  (...)  A decisão de substituição de Orlando Silva estava tomada pelo governo na semana passada, não porque desse fé às acusações, mas porque acreditava que ele estava enfraquecido para ser uma peça fundamental na parada dura que o governo encara com o envio do projeto de lei sobre a Copa do Mundo ao Congresso. Para onde vamos...

Superar a choradeira e combater a mídia hegemônica

Aliás, convém bem ler o que, a respeito, escreveu Altamiro Borges a respeito do que se pode - se tem - que fazer diante da mídia hegemônica: 1- Não ter qualquer ilusão com a mídia hegemônica; chega de babaquice e servilismo diante da chamada “grande imprensa”; 2- Investir em instrumentos próprios de comunicação. A luta de idéias não é “gasto”, é investimento estratégico; 3- Lutar pela regulação da mídia e por políticas públicas na comunicação, que coíbam o poder fascista do império midiático. O governo Dilma precisa aprender que a democratização da comunicação é uma questão estratégica. Tem que superar a superar a choradeira e a defensiva. Como diz Altamiro, "Hoje são ministros depostos; amanhã será o sangramento e a derrota da própria presidenta e do seu projeto, moderado, de mudanças no Brasil".

Teias da mídia

Via blog Anais Políticos , para não se perder nas tramas da bandidagem da grande mídia: Clique  aqui  para ver o agente da CIA infiltrado na mídia, e  aqui  para ver o governador tucano censurando a Presidenta que é do PT, em sua TV estadual.  Neste link , você vê o sempre servil Estadão pedindo desculpas a FHC. Já  neste link  você lê que a Veja tem preço pra denunciar ou não denunciar alguma coisa.  Neste outro  você vê quem realmente é o respeitável senhor para quem tudo é uma vergonha, e  neste aqui , o que nosso imprensalão pensa sobre os pobres que agora compram carros. Clique  neste link  para ler que a Folha está mesmo é interessada nos empregos fora do país.  Neste link  você constata que quando a mídia não é má intencionada, é ignorante.  Neste link  você verifica que a imprensa é igual no mundo inteiro. Já  neste aqui  você vê que numa escorregadela, a imprensa reconhece que faz tudo de caso pensado.  Neste link  você se diverte com o trilionário Eike Batista dando porrada

Hoje no Congresso da Alaic

Agora pela manhã está ocorrendo a mesa "Midia e Meio Ambiente", coordenada pela colega Prof. Neusa Pressler, da Unama, e que conta com a participação das Profs. Isaltina Gomes (da Universidade Federal de Pernambuco – UFPE), Antonio Almeida (da Universidade de São Paulo – USP) e Luciana Miranda (da UFPA). A tarde, de 14h às 17h, também no auditório Benedito Nunes, teremos a mesa "Economia e políticas públicas de Comunicação", que será coordenada pela Prof. Netília Seixas (da UFPA) e da qual participarei, falando sobre minha experiência na comunicação pública. Essa mesa ainda terá a participação dos colegas Valério Brittos (Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS), Ligia Simonian (do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos – NAEA/UFPA) e Ana Laura Lima (EMBRAPA Amazônia Oriental). Em seguida, às 17h30, haverá uma sessão de lançamento de livros. O meu livro A Cidade Sebastiana estará lá, sendo vendido com desconto especial para o evento, por R$ 30,00.

Bolsa-Família é caro? O “bolsa-rentista” é mais…

Via Blog do Brizola Neto O jornal Valor Econômico traz hoje um levantamento do número de famílias que deixaram de receber, por elevação da renda, os benefícios do Bolsa-Família. São 2,227 milhões, o que equivale a cerca de 10 milhões de brasileiros que deixaram a pobreza extrema. E este número pode ser ainda muito maior se cosideramos de nos outros 3,6 milhões de benefícios cancelados, muitos deles têm a melhoria da situação como motivo pelo desinteresse em comprovar o cumprimento das condicionalidades em educação e saúde ou mesmo de participar dos recadastramentos. Por mais que sejam importantes os cursos de qualificação oferecidos aos beneficiários, o cerne desse fenômeno é o crescimento da economia e, com ela, do emprego. Dez milhões de pessoas saírem de um estado de semi-indigência já teria valido o investimento. Mas ele rendeu mais, embora continue sendo atacado de forma obtusa por quem procura encobrir sua insensibilidade debaixo de razões contábeis. Ontem, o jornal O Globo

Resultados do Censo das Bibliotecas Públicas

Existem 4.763 bibliotecas públicas municipais no Brasil, segundo o 1º Censo Nacional das Bibliotecas Públicas Municipais, realizado no ano passado pela Fundação Getúlio Vargas. Esse número é incrivelmente reduzido. Para se fazer uma comparação, somente somente no estado de Nova York, nos EUA, há sete mil bibliotecas. Outros dados também espantam: apenas 79% das cidades brasileiras possuíam ao menos uma biblioteca aberta em 2009, com média de 2,67 para cada 100 mil habitantes. Porém, apenas 12% delas funcionavam aos sábados, 1% aos domingos e 24% no período noturno.  E o quesito quantidade não é o único problema identificado. A inclusão também é negligenciada amplamente pelas bibliotecas públicas municipais. Apenas 9% oferecem serviços para deficientes visuais, como audiolivros ou obras em Braille, e 6% desenvolvem atividades para surdo-mudos, deficientes mentais ou físicos. Sem mencionar serviços básicos como a disponibilização de computadores com acesso à internet ao público, presen

Hoje no Alaic / Mídia Cidadã

Dia cheio, hoje, no I Seminário Regional da Asociación Latinoamericana de Investigadores de La Comunicación, que realizamos no auditório Benedito Nunes, da UFPA. De 9h às 12h ocorre o Colóquio de Rádios Comunitárias (no auditório Benedito Nunes) Coordenado pela colega Rosane Steinbrenner, o Colóquio reúne três convidados: Milton Andrade Tapia (Universid Nacional de Loja – Equador) José Miguel Gonzalez (Pontifica Universidad Javeriana – Colômbia) e João Paulo Malerba (Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ) De 14h às 18h têm lugar as sessões de trabalho da ALAIC, no Bloco F da UFPA. Haverá quatro salas com exposição de trabalho.  Junto com o professor Gilson Monteiro, da Universidade Federal do Amazonas, estarei coordenando uma delas. E também apresentarei uma comunicação, intitulada "A dialética entre Redes e Grupos no campo da comunicação midiática da Amazônia" De 19h às 22h, no Centro de Convenções Benedito Nunes, tem lugar a Mesa Temática 2 da Alaic, intitula

I Seminário Regional ALAIC Bacia Amazônica

Hoje: abertua do encontro regional da Alaic

Retornei na Bahia a tempo para um evento imperdível. Hoje, às 19h, no Centro de Eventos Benedito Nunes, campus do Guamá da UFPA, acontecerá a abertura do I Seminário Regional da ALAIC - Bacia Amazônica, que está sendo produzido pelo Programa de Pós-Graduação Comunicação, Cultura e Amazônia, da UFPA.  A abertura oficial será seguida pela mesa temática "La investigación en Comunicación en América Latina: Interdisciplina, Pensamiento Crítico y Compromiso social na Amazônia", com a presença dos professores Cesar Bolaño (ALAIC), Eduardo Villanueva (PUC - Peru), Jean Michel Aupoint (OGDH) e coordenada pela professora Maria Ataide Malcher (UFPA).

Comida e bonequinhos: Mundos estranhos

Mais aqui .

Tradição e Reflexões: Contributos para a teoria e estética do documentário

Organizada pela Profa. Manuela Penafria, temos mais uma  publicação do projeto LivrosLabcom da Universidade da Beira Interior (Portugal). O livro está disponível para download livre na Web. Veja aqui . Eis aqui um trecho da Apresentação: "Enquanto contributo para o estudo do documentário, os textos fundamentais e fundadores de reflexão teórica e estética, “First principles of documentary” e “Flaherty’s poetic Moana”, ambos da autoria de John Grierson, foram traduzidos para português e para castelhano. O pensamento de John Grierson é revisitado, sendo mais criticado que aplaudido, por Brian Winston. Deste autor seleccionámos os textos: “Documentary: I think we are in trouble”, “The tradition of the victim in griersonian documentary” e “Towards a post-griersonian documentary”, também traduzidos para português e para castelhano. Complementam este livro artigos sobre o filme etnográfico, a operacionalização do conceito de encenação no documentário, caracterização e problemáti

A baianidade vista pela amazonidade

Logo mais tomo o avião para Salvador, de onde pegarei outro, em direção à bela cidade histórica de Lençóis, na chapada Diamantina . Irei participar do Sinbaianidade , um seminário nacional sobre a identidade cultural baiana, que a Universidade do Estado da Bahia está, lá, promovendo. Participarei de uma mesa denominada "A baianidade vista pela alteridade", a qual será composta, ainda, pelo caro amigo Alexandre Barbalho, de Universidade Estadual do Ceará, que falará sobre " A política cultural e a baianidade vista por um cearense" e por um pesquisador argentino cujo nome me escapa, no momento, que desenvolverá o tema  “La baianidad y el problema de las identidades”. Eu vou desenvolver o seguinte tema  "A baianidade vista pela amazonidade" .

The Guardian mostra os artigos que os seus jornalistas estão a escrever Read more: http://ciberjornalismo.com/pontomedia/?p=6974#ixzz1aUrbymVt

JÁ ESTÃO disponíveis os Google Docs que mostram os artigos que o jornal The Guardian está a preparar para os próximos dias e os jornalistas encarregados de os escrever. Uma experiência de transparência que vale a pena seguir. Via Ponto Media.

Só com uma Constituinte é que a coisa vai

Emir Sader publicou um artigo em seu blog, replicado aqui , no qual chega a uma conclusão absolutamente ponderada a respeito da reforma política: a de que ela não vai sair como preste, se continuar do jeito que vai. E que a única forma de fazer direito é como antes se dizia: só com uma Constituinte especialmente convocada para discutir essa questão. Diz ele: Basta Lula e Dilma se recordarem das posições que defenderam durante a campanha e recolocarem a proposta de convocação de uma Assembleia Constituinte Autonoma. Certamente o PT e os outros partidos de esquerda seguirão por esse caminho e o Brasil poderá renovar, de forma mais acelerada e transparente, seu sistema politica e sua democracia.
Financiamento público de campanha eleitoral é fundamental. Já expliquei porque aqui . As resistências a isso são grandes e têm um fundo cultural que precisa ser entendido, para que se possa avançar na questão. Um artigo de Pedro Silva, tesoureiro da campanha de Lula em 2006 e da campanha de Dilma em 2010, replicado no blo do Luis Nassif, ajuda a entender essa resistência e a problematizar a questão: Estamos diante de um problema de ordem cultural e política: os brasileiros ainda não estão dispostos a financiar a sua democracia. Mas será que os mesmos brasileiros continuariam dispostos a delegar o pagamento desta conta para 30 grandes empresas? E alguns dados interessantes: Em 2010 enviei 10 mil cartas para as maiores empresas do país. Destas, 300 responderam e doaram aproximadamente R$ 7,5 milhões, 5% do total arrecadado. Pela internet esperávamos pelo menos 10 mil doadores e chegamos a apenas 2 mil pessoas. O PSDB desistiu deste sistema e o tesoureiro da candidata Marina Silva acred

Querida, encolhi os artigos

FALA-SE muitas vezes nos efeitos perversos das remodelações dos jornais, que privilegiam os artigos mais curtos e deixam de fora os artigos maiores, aproximando a edição em papel da edição online e, consequentemente, afastando leitores que gostam de ler e não se contentam com breves. A propósito deste tema, a Columbia Journalism Review publica um excelente conjunto de gráficos sobre o tamanho dos artigos noThe Wall Street Journal, que mostra bem os efeitos de Rupert Murdoch. Neste caso, o número de estórias com mais de 2500 palavras. Via Ponto Media.

Terry Eagleton: O Debate sobre Deus

Saiu o novo livro do grande Terry Eagleton: O Debate sobre Deus: Fé, Razão e Revolução. Aqui, uma resenha (zangada) do livro. A resenha começa assim: Terry Eagleton é um daqueles intelectuais de esquerda convencidos de que uma demonstração efusiva de bons sentimentos e boas intenções — sob a forma de uma profunda indignação moral para com as desigualdades do mundo e de um sincero voto de amor pelos oprimidos — basta para eximi-los por completo de certas tarefas inconvenientes, como a de ter de apresentar um argumento honesto. Seu livro  O debate sobre Deus  é um longo vitupério contra Richard Dawkins e Christopher Hitchens por, até onde fui capaz de depreender, não terem notado que a  Bíblia  (mais especificamente, o  Novo Testamento ) pode ser interpretada de forma a legitimar, animar e estimular o engajamento em causas esquerdistas: Cristo pode ser visto como um guerrilheiro hippie; o celibato dos “eunucos por amor do Reino” (Mateus, 19:12) é a abstinência sexual dos guerrilheir

É bom ter amigos. Ruim é não ter superpoderes!

Via http://capinaremos.com/

Paredes filosóficas

Anunciada a última temporada de Os Simpsons

A Fox, que produz a série, declarou não poder mais fazer frente, em meio à crise econômica, ao altos custos de sua produção. Propôs um corte de 50% nos salários de produtores e de dubladores. Os produtores aceitaram. Os dubladores não. Os donos das vozes dos famosos personagens recebiam a bagatela de 440 mil dólares e não aceitaram o corte salarial que os fariam ganhar 250 mil. Eles ainda propuseram receber “apenas” 300 mil, mas o estúdio rejeitou a oferta. A temporada que inicia, a 23a, poderá ser a última de os Simpsons, essa família amarela que fez escola na animação televisiva e no humor, corrosivo, com o qual os norte-americanos aprenderam a se observar. Espera-se, contudo, que um acordo permita a produção de uma temporada a mais, o que retardaria o fim de Os Simpsons para 2013.

Regulação da mídia e o lado mais fraco

Reproduzo texto de João Brant, sobre a importância de discutir o marco regulatório para as comunicações - a participa da consulta pública em curso ( vá até aqui ) - publicado no Jornal Brasil de Fato. Regulação da mídia e o lado mais fraco João Brant Se eu fosse tentar resumir em dois princípios tudo o que gostaria para a área da comunicação, seriam os seguintes: 1) Todo brasileiro deve ter garantido o direito à comunicação, de forma que os meios de comunicação reflitam a diversidade e a pluralidade de ideias do conjunto da sociedade. 2) Toda forma de opressão, pública ou privada, deve ser combatida. O lado mais fraco deve ser sempre protegido. Na primeira frase, está expresso o princípio geral, da liberdade. Fundamental, mas insuficiente. Na segunda, está o reconhecimento de que a comunicação pode ser arena de um exercício desigual de poder de um lado mais forte sobre outro mais fraco. E de que o combate a essas opressões deve ser base de qualquer país que se queira justo e

Macondo no mapa

Por novos rumos para a política de fomento cultural

Reproduzo artigo do deputado Cláudio Puty discutindo as políticas de fomento à cultura e convocando para a audiência pública sobre o assunto, que será realizada na Assembléia Legislativa do Pará, no dia 31 de outubro próximo. Por novos rumos para a política de fomento cultural publicado em O Liberal em 09/10/11 Cláudio Puty (*) Poucas pessoas no Brasil negariam o papel central que a cultura, em sua diversidade e pluralidade, exerce na constituição de um país democrático, justo e soberano. Ao observarmos as mudanças da política cultural nas últimas décadas, com a constituição de órgãos específicos de gestão da cultura; a consolidação de instâncias de controle social e o estabelecimento da noção de que esta política pública deve prezar pela descentralização dos recursos e ruptura com o elitismo, não podemos negar que avançamos.   Entretanto, há ainda muito a fazer. Somos um país que reflete no acesso a bens culturais suas múltiplas desigualdades. Segundo dados do Ministério da Cu

III Encontro de Estudos Culturais

8 regras para fazer um "bom" jornalismo

Aqui , um artigo da Columbia Journalism Review sobre as 8 regras para fazer um "bom jornalismo": 1 – The initial, mistaken information will be retweeted more than any subsequent correction. 2 – A journalist is only as good as her sources. 3 – Verification before dissemination. 4 – People will forget who got it first, but they remember who got it wrong. 5 – Failure sucks but instructs. 6 – If your mother tells you she loves you, check it out. 7 – If something seems too good to be true, it probably is. 8 – It’s not the crime, it’s the coverup.

Consulta sobre a regulação da mídia

Já divulgamos aqui o site da consulta pública para elaboração do novo marco regulatório para a comunicação no Brasil ( www.comunicacaodemocratica. org.br ) . A respeito dele, publico artigo de Jacson Segundo, originalmente publicado no  Observatório do Direito à Comunicação . Consulta sobre a regulação da mídia  Jacson Segundo Enquanto o Governo Federal não torna pública sua proposta de revisão geral da legislação sobre a comunicação eletrônica no país, a sociedade civil vai aumentando sua mobilização para o embate que está por vir. Para isso, um grupo de oito organizações nacionais lançou nesta segunda-feira (12) uma consulta pública na internet com o objetivo de criar uma plataforma da sociedade para o novo marco regulatório. A plataforma proposta possui onze princípios e objetivos e 20 diretrizes, que vão desde regulamentação de infraestrutura dos sinais, garantia de acesso aos serviços e questões referentes aos conteúdos veiculados. Temas como direitos autorais, direitos e de

10 cidades sustentáveis

Para o prefeito Duciomar, o huno, refletir: Segundo dados da UN Population Division, 72% da população do continente europeu mora nos centros urbanos. No entanto, suas cidades consomem um percentual menor do que este, apenas 69% do total de energia. O número é abaixo do que se poderia imaginar e a razão parece estar ligada a legislação ambiental cada vez mais dura da União Europeia e a preocupação crescente da população local em poupar recursos naturais. Para facilitar o estudo sobre organização urbana e sustentabilidade, a The Economist Intelligence Unit realizou, em parceria com a Siemens , um estudo para apontar as cidades mais verdes da Europa. Foram analisados os 30 centros urbanos política ou economicamente mais expressivos do continente, classificados de acordo com 8 categorias de desempenho: emissão de dióxido de carbono, consumo e desperdício de água, gerenciamento de terra e resíduos, consumo de energia e uso de fontes renováveis, qualidade do ar, mobilidade e políticas a

Avaliação das faculdades de comunicação de Portugal

Saiu o listão de lá. Como são numerosos os paraenses que por lá estudam, vejam bem por onde andam: Ciências da Comunicação – Universidade Nova Lisboa – 16,70 – (87) Ciências da Comunicação – Universidade Minho – 16,02 – (60) Ciências da Comunicação – Universidade Porto – 16,00 – (85) Jornalismo – Politécnico Lisboa – 15,70 – (60) Ciências da Comunicação – ISCSP – 15,65 – (62) Jornalismo – U Coimbra – 15,35 – (50) Comunicação Social – Politécnico Coimbra – 14,72 – (40) Ciências da Comunicação – Universidade Beira Interior – 13,91 – (50) Ciências da Comunicação – UTAD – 13,79– (61) Ciências da Comunicação – Universidade do Algarve – 13,32 – (35) Comunicação Social e Ed. Multimédia – Politécnico Leiria – 13,21 – (40) Comunicação Social – Politécnico Setúbal – 13,18 – (35) Jornalismo e Comunicação – Politécnico Portalegre – 12,11 – (35) Comunicação Social – Politécnico Viseu – 11,19 – (70) Comunicação Social – Instituto Politécnico de Tomar – 10,93 – (35) Comunicação Social

Seffer absolvido. De perder as esperanças...

A notícia é incrível. A postura do TJE vai contra o bom senso, contra a sociedade e contra a justiça. As evidências de que o ex-deputado praticou inúmeros crimes - de estupro de menor, de cárcere privado e de violência física - são enormes e chocaram a sociedade paraense. Vai ser difícil ter um bom Círio com uma coisa dessas...         Reproduzo o que o Diário do Pará publicou a respeito: Por dois votos a um, o ex-deputado Luiz Afonso Sefer foi absolvido da acusação de pedofilia e cárcere privado. O relator da ação, desembargador João Maroja, e o desembargador Raimundo Holanda, votaram pela absolvição de Sefer. Convocado pelo TJE para atuar no julgamento, o juiz Altemar Silva votou a favor da condenação. O julgamento aconteceu na manhã de hoje (6), no Tribunal de Justiça do Estado do Pará. O médico Luiz Sefer era deputado pelo DEM em 2009 quando foi acusado por uma menor de estupro, cárcere privado, violência física, entre outros crimes. Para se livrar da condenação, Luiz Sefer contra

O MinC e os valores opostos à cultura

No blog Trezentos: Para a secretária da Economia Criativa, Claudia Leitão, é preciso desterritorializar, despersonalizar e bestializar a cultura e, em contrapartida, ela oferece a ilusão e o mal-estar dominante da santificação do mercado. Desde a chegada do novo comando ao MinC que a cultura brasileira vive um drama. Há uma moral invertida na filosofia de se buscar um jogo casado entre cultura e mercado. Depois de um semestre célebre com os ataques da Ministra Ana de Hollanda às reformas da LDA em prol do Ecad, da Lei Rouanet e das corporações, a visão salivada do Ministério da Cultura com a recente, SEC – Secretaria da Economia Criativa, tudo indica que o sonho da ministra é transformar as manifestações espontâneas da sociedade em asilo de alienados pelo mercado. Continua aqui .
Reproduzo artigo do professor José Raymundo Trindade replicando o artigo do deputado Cláudio Puty, ontem publicado aqui no blog. O artigo foi publicado, originalmente, no blog Proposta Democrática . FPE, Pacto Federativo e os Novos Estados José Trindade Neste último domingo o deputado federal Claudio Puty publicou excelente artigo em “O Liberal”, tratando de tema muito relevante para o debate federativo. O tema tratado referia-se a relação entre a divisão territorial do Pará, o surgimento de novas unidades federativas e a transferência de recursos constitucionais referentes ao Fundo de Participação dos Estados (FPE). Estou de acordo com Claudio Puty quanto ao aspecto que a divisão territorial e o surgimento dos Estados de Carajás e Tapajós não devam ser entendidos como uma espécie de “sonho dourado” que de algum modo equacionaria os graves problemas referentes às condições de vida e ao próprio desenvolvimento econômico e social de toda essa região. Entretanto convém, para além da i

Novo número da revista Estudos em Jornalismo e Mídia

Acaba de sair na web a mais recente edição da revista Estudos em Jornalismo e Mídia , cujo eixo temático é Democracia e Regulação da Mídia . Veja o sumário: Radiodifusão brasileira e marco regulatório: Confecom e propostas recentes de reformulação Chalini Torquato Gonçalves de Barros É preciso ordenar a comunicação? Questionamentos acerca da necessidade de instâncias mediadoras entre a mídia e o público Edson Fernando Dalmonte As condições superestruturais da profissão vistas pelo movimento dialético das Leis de Imprensa – uma regulação antidemocrática Cristiane Hengler Corrêa Bernardo, Inara Barbosa Leão El defensor de la audiencia, nuevas herramientas en su labor alfabetizadora Susana Herrera Damas, José Luis Requejo Alemán Autorregulação: A Experiência Internacional com os Conselhos de Imprensa Silvia Macedo Cobertura cotidiana da política no telejornalismo brasileiro: o que vai ao ar sobre política no Jornal Nacional? Acácio Salvador Júnior O telejornalismo e as narrati

Solidariedade a Franssinete Florenzano

Solidariedade a Franssinete Florenzano A jornalista Franssinete Florenzano, editora do blog Uruá-Tapera e do jornal de mesmo nome foi exonerada do Tribunal de Contas do Estado por motivos políticos. Franssi é uma jornalista competente, uma profissional honrada e dedicada ao seu trabalho. Há muito tempo vem sendo perseguida pelos poderes sujos do estado do Pará. Em episódios sucessivos, tem tido seu trabalho de jornalista cerceado. Dentre outros, pelo ex-deputado federal Vic Pires Franco (DEM); pelo atual governador Simão Jatene (PSDB), durante a campanha de 2010; pelo vereador Raimundo castro, presidente da Câmara Municipal de Belém e, ainda, pelo vereador Gervásio Morgado (PP). Recentemente, começou a receber ameaças anônimas. A demissão da jornalista é resultado da pressão do vereador Morgado sobre o TCE. Gervásio Morgado, por sua vez, não é um vereador competente. É o autor da proposta de mudar o nome da Travessa Apinagés, o autor de inúmeros atos de perdão de dívidas para com

Jornalismo e mídias digitais: Considerações de Ariana Huffington

Uma pequena matéria jornalística publica na Folha de S. paulo, há alguns dias, noticiava a passagem, pelo Brasil, de Ariana Huffington, a criadora e editora do genial Huffington Post , um site sobre política mais influente que a grande maioria dos jornais norte-americanos. Numa palestra, ela afirmou não acreditar em uma separação estanque entre a mídia tradicional e as mídias sociais. É preciso ouvir Ariana Huffington. Ela está coberta de razão. Diz que o jornalismo será cada vez mais híbrido, mesmo porque "há algo que falta na mídia tradicional que nós podemos capturar nas mídias sociais: a capacidade de contar histórias. Estamos preocupados demais com dados. É muito mais difícil capturar leitores com dados do que com histórias." O Huffington Post é, na verdade, um grande exemplo de como aproveitar melhor as mídias sociais. "Nós não damos apenas informação ao leitor. Damos uma plataforma onde ele pode compartilhar seus pontos de vista e seus hobbies." Arianna

Mais de 40 dispositivos constitucionais esperando por regulamentação

O professor José Raimundo Trindade, no blog Proposta Democrática, discute hoje como é extenso o número de matérias constitucionais que ainda não receberam regulamentação específica, 23 anos após sua promulgação. Segundo o professor, um levantamento feito pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) aponta que mais de 40 dispositivos presentes na CF pedem, ainda, regulamentação nos capítulos Dos Direitos e Garantias Fundamentais (nove), Da Organização do Estado (treze), Da Ordem Social (treze), Ato das Disposições Transitórias (três) e Emendas Constitucionais (quatro). Veja a íntegra do artigo aqui .

A divisão do Pará e o FPE

Reproduzo o artigo do deputado federal Cláudio Puty sobre o resultado da possível divisão do Pará sobre o Fundo de Participação dos Estados. O artigo desconstrói, mais uma vez, o argumento de que a divisão resultaria na ampliação dos recursos destinado ao(s) estado(s). O artigo foi publicado, originalmente, no jornal O Liberal do último domingo. A divisão do Pará e o Fundo de Participação dos Estados Cláudio Puty (*)  Alguns defensores da divisão do estado do Pará tentam convencer a opinião pública de que, se essa medida for aprovada, os três novos entes federativos (o Pará remanescente, Carajás e Tapajós) serão beneficiados com a ampliação dos repasses do Fundo de Participação dos Estados (FPE).  A esses mercadores de ilusões poderíamos objetar com o aforismo que dá título a uma peça de Luigi Pirandello: “assim é, se lhe parece”. Mas acontece que tal suposição não tem nenhuma sustentação na realidade; o próprio ministro Carlos Ayres de Britto, no acórdão do Supremo Tribunal Federal

Qual o papel das novas mídias na construção da democracia?

Essa pergunta será o mote dos debates que envolverão blogueiros de todo o mundo, na cidade de Foz do Iguaçu, Paraná, região Sul do Brasil. Nos dias 27, 28 e 29 de outubro, Associação Brasileira de Empresas e Empreendedores da Comunicação (Altercom) e o Centro de Estudos da Mídia Barão de Itararé realizam o 1º Encontro Mundial de Blogueiros. As inscrições estão abertas e podem ser feitas pela internet, com taxa no valor de 100 reais. Sites, blogs e redes sociais colocam em rede diferentes pontos de vista da informação e, assim contribuem para democratização da comunicação. Eleições, revoltas no mundo árabe, movimentos na Espanha, vazamentos do Wikileaks são exemplos de assuntos que ganharam o mundo, também pelas mãos de milhares de internautas no planeta. Informações aqui: www.blogueirosdomundo.com.br

Um manual para administrar marcas na web

A Lewis PR , empresa espanhola de relações públicas e de consultoria em comunicação, lançou um guia para administrar marcas na web “sem barreiras”. O manual pode ser útil para empresas e organizações, mesmo que elas estejam em outras partes do globo. O arquivo tem 6 Megabytes, está em espanhol, em PDF e tem 28 páginas.  Baixe aqui . Via Ponto Media.

Numero especial do Boletim de Ciências Humanas do Museu Goeldi sobre Benedito Nunes

XVIII Encontro da Fenaj abordará redes sociais

As mídias sociais e seu potencial de disseminação de informação serão abordados em duas oficinas do XVIII Encontro Nacional dos Jornalistas em Assessoria de Comunicação ( Enjac ). O encontro, promovido pela Federação Nacional dos Jornalistas ( Fenaj ), acontece de 13 a 15 de outubro, em Natal, no Rio Grande do Norte. O impacto que sites de redes sociais causam na sociedade contemporânea inspirou as oficinas "Redes sociais como ferramentas de comunicação", que será ministrada por Tarciana Burgos (UFRN) e "Comunicação corporativa na web 2.0", a cargo de Leonardo Gamberoni (UnP). Os participantes do encontro interessados em participar devem fazer inscrição a partir do  site oficial do evento , por onde é possível também obter esclarecimento sobre a programação e dicas da cidade que vai sediar o evento.