Pular para o conteúdo principal

Mídia golpista 1

No site Fazendo a Mídia, hoje, um ótimo artigo sobre o caráter autoritário do Jornal Nacional.

Comentários

Anônimo disse…
Se fosse só o Jornal Nacional, e o jornal da Band à noite? quem aguenta aquela cara do Joelmir Beting ? pior ainda quando tenta ser "engraçado" falando ironicamente, como se fosse uma sumidade de perspicácia política, descendo de seu trono para informar os pobres e ignorantes telespectadores... Acaba reduzido a mero e medíocre porta-voz das elites mais reacionárias, meros títeres do agronegócio, fazendo campanha descaradamente pelo lado mais sujo deste . Constrangedor.
Anônimo disse…
Conheço um jovem de 17 anos que fará vestibular no final do ano, a primeira opção foi jornalismo,que ele vai mudar pra outro curso de letras e arte, pois comentou comigo que não valeria a pena , uma vez que agora qualquer um pode ser considerado jornalista, já que não é exigido um diploma. Fiquei sem saber o que dizer;e tb fiquei com a impressão de que a tendência é acabar o curso de jornalismo por esse fato. Será mesmo? Me parece que passará a ser opção de pósgraduação, a nível de especialização. E não me surpreenderia nada se daqui a um tempo surgisse o curso de MBA em jornalismo, ou comunicação. Bom, é só uma impressão, mas está colocada a questão.
hupomnemata disse…
A desobrigação do diploma para que empresas jornalísticas contratarem as pessoas que vão produzir informação é recente. Isso produz vários efeitos no mercado e na sociedade, alguns muito negativos e outros ligeiramente positivos. Em relação ao futuro do curso, observe o seguinte: o curso, da UFPA, na verdade, é de comunicação, e tem duas opções: jornalismo ou publicidade. Publicidade já convive com essa desobrigação do diploma há 30 anos. E nem por isso o curso deixou de existir. O diploma de jornalismo, para quem pretende trabalhar com a produção de notícias, continua sendo algo interessante. O que muda são as condições de trabalho dos jornalistas, que perdem muito com a desobrigação. Em relação à pós-graduação específica em jornalismo penso que na UFPA essa tendência não existe. Os esforços são no sentido de haver um programa de mestrado e doutorado em pesquisa sociológica dos meios de comunicação.

Postagens mais visitadas deste blog

Link para os últimos números de algumas revistas científicas na área da comunicacão

Publico aqui o link para os números recentes de algumas revistas do campo da comunicação: Conexão - Comunicação e Cultura , da Universidade de Caxias do Sul. Comunicação e Sociedade , da Universidade do Minho - que traz um dossiê sobre  Ética na Comunicação , com participação de Clifford G. Christians, Jane B.Singer, Carlos Maciá-Baber e Luís Sá Martino, entre outros. Esferas , publicação conjunta dos programas de pós-graduação do Centro Oeste, que traz o dossiê Comunicação e Interculturalidade . Rádio-Leituras , da Universidade Federal de Santa Maria Mediação , dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da FUMEC, ue traz o dossiê Comunicação em jogo: o esporte e o lúdico sob a lógica midiática. Intexto , revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da UFRGS. Revista IHU do Instituto Humanitas da UFRJ, com o dossier Jornalismo pós-industrial . http://www.ihuonline​.unisinos.br/impress​a/ Adendo posterior: E tam

Ariano Suassuna e os computadores

“ Dizem que eu não gosto de computadores. Eu digo que eles é que não gostam de mim. Querem ver? Fui escrever meu nome completo: Ariano Vilar Suassuna. O computador tem uma espécie de sistema que rejeita as palavras quando acha que elas estão erradas e sugere o que, no entender dele, computador, seria o certo   Pois bem, quando escrevi Ariano, ele aceitou normalmente. Quando eu escrevi Vilar, ele rejeitou e sugeriu que fosse substituída por Vilão. E quando eu escrevi Suassuna, não sei se pela quantidade de “s”, o computador rejeitou e substituiu por “Assassino”. Então, vejam, não sou eu que não gosto de computadores, eles é que não gostam de mim. ”

Um tetrâmetro trocaico cataléptico

Bom, é para rir, mas para quem quiser levar à sério aqui vai a explicação para o que vem a ser um "tetrâmetro, trocaico cataléptico" : Tetrâmetro: O fato essencial – e torpe – é que cada verso é composto por quatro troquéus. Um troquéu é uma coisa formada por duas sílabas, sendo que a primeira é tônica e a segunda atônica. Coisa típica do inglês: “ti•ger”. Isso é curioso porque a métrica latina sempre opõe o peso relativo de sílabas longas a curtas, ao cpontrário do inglês. Mas, como se sabe, o inglês é uma língua semi-bárbara. Então, fica sendo curioso. Já que cada verso contém quatro troquéus, ele pode ser considerado um tetramétrico.  Cateléptico: O último troquéu, no entanto, é monossilábico. Ou seja, está incompleto: (“bright“). Esse corte é chamado catalexis. Por isso se diz que o último troquéu é cataléptico. Trocaico:  É o ritmo. O ritmo do poema, que quase reproduz o andar de um tigre, pé ante pé, sincopado, nessa calma contida dos felinos e, talvez, de cer