Pular para o conteúdo principal

Pinsônia

Já ouviram falar em Pinsônia? É, ou deveria ter sido, uma província do Império do Brasil. Uma província que nos concerne. Ao menos no imaginário de Cândido Mendes de Almeida (1818-1881), jornalista, políticos e escritor maranhense. Cândido Mendes produziu um ótimo Atlas do Império do Brasil, publicado em 1873. Nele, incluiu, por sua conta e risco, essa província que nunca existiu e que teria Macapá por capital. Sujeito curioso. Eu escreveria um romance sobre Pinsônia. Abaixo uma cópia do mapa. Vejam como ela destaca do Pará o Cabo Norte (hoje transformado em estado do Amapá) e toda a margem esquerda do Amazonas.

Comentários

Discordo totalmente do editor. A Capitania de Pinsônia com o nome Guiana Oriental Brasileira - 2º Distrito sempre existiu desde novembro de 1729 quando El Rei de Portugal, a pedido do Marquês de Pombal nomeou uma Comissão da Carta Geográphica composta pelos cartógrafos Diogo Soares, Antonio Enrico Galuzzi e Domingo Cappucci para reunir numa única obra cartográfica todos os levantamentos topográficos, geodésicos e geográficos do Império do Brasil. Este mapa completo de como era o Brasil no século 18 concretizou-se em 1763 e foi publicado na Obra do Historiador Adolpho Varnhagen por volta 1848.Vários estudiosos, após a comissão, contemplaram a criação da Província da Pinsônia, Araguari, Tumucumaque ou Amazonas, também prevista nos mapas holandeses do século 17 com o nome de Oyapóquia.Na verdade, ao criar o Território Federal do Amapá, o futuro Estado foi garfado nas suas melhores terras. Manuel Ayres de Cabral descreveu a Província em seu livro Corografia Brasílica de 1817, com Macapá como Capital. Estas terras nunca pertenceram, nem ao Pará, nem a Tapajós. Se os poderosos do Amapá tivessem um pingo de amor ao Estado entraram no STF para ter as suas terras de volta.

Postagens mais visitadas deste blog

Link para os últimos números de algumas revistas científicas na área da comunicacão

Publico aqui o link para os números recentes de algumas revistas do campo da comunicação: Conexão - Comunicação e Cultura , da Universidade de Caxias do Sul. Comunicação e Sociedade , da Universidade do Minho - que traz um dossiê sobre  Ética na Comunicação , com participação de Clifford G. Christians, Jane B.Singer, Carlos Maciá-Baber e Luís Sá Martino, entre outros. Esferas , publicação conjunta dos programas de pós-graduação do Centro Oeste, que traz o dossiê Comunicação e Interculturalidade . Rádio-Leituras , da Universidade Federal de Santa Maria Mediação , dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da FUMEC, ue traz o dossiê Comunicação em jogo: o esporte e o lúdico sob a lógica midiática. Intexto , revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da UFRGS. Revista IHU do Instituto Humanitas da UFRJ, com o dossier Jornalismo pós-industrial . http://www.ihuonline​.unisinos.br/impress​a/ Adendo posterior: E tam

Ariano Suassuna e os computadores

“ Dizem que eu não gosto de computadores. Eu digo que eles é que não gostam de mim. Querem ver? Fui escrever meu nome completo: Ariano Vilar Suassuna. O computador tem uma espécie de sistema que rejeita as palavras quando acha que elas estão erradas e sugere o que, no entender dele, computador, seria o certo   Pois bem, quando escrevi Ariano, ele aceitou normalmente. Quando eu escrevi Vilar, ele rejeitou e sugeriu que fosse substituída por Vilão. E quando eu escrevi Suassuna, não sei se pela quantidade de “s”, o computador rejeitou e substituiu por “Assassino”. Então, vejam, não sou eu que não gosto de computadores, eles é que não gostam de mim. ”

Um tetrâmetro trocaico cataléptico

Bom, é para rir, mas para quem quiser levar à sério aqui vai a explicação para o que vem a ser um "tetrâmetro, trocaico cataléptico" : Tetrâmetro: O fato essencial – e torpe – é que cada verso é composto por quatro troquéus. Um troquéu é uma coisa formada por duas sílabas, sendo que a primeira é tônica e a segunda atônica. Coisa típica do inglês: “ti•ger”. Isso é curioso porque a métrica latina sempre opõe o peso relativo de sílabas longas a curtas, ao cpontrário do inglês. Mas, como se sabe, o inglês é uma língua semi-bárbara. Então, fica sendo curioso. Já que cada verso contém quatro troquéus, ele pode ser considerado um tetramétrico.  Cateléptico: O último troquéu, no entanto, é monossilábico. Ou seja, está incompleto: (“bright“). Esse corte é chamado catalexis. Por isso se diz que o último troquéu é cataléptico. Trocaico:  É o ritmo. O ritmo do poema, que quase reproduz o andar de um tigre, pé ante pé, sincopado, nessa calma contida dos felinos e, talvez, de cer