Pular para o conteúdo principal

Toffoli, enfim

E Lula escolheu Toffoli para a vaga no STF aberta com a morte do ministro Carlos Alberto Direito. Isso é muito bom. Lula evitava indicações "mais à esquerda" como parte de seu movimento tático de governabilidade. Mas com a aprovação que seu governo tem já estava na hora de fazer um bem ao país e equilibrar um pouco mais a suprema corte nacional. Toffoli tem 41 anos. Mais jovem que ele somente Alberto Torres, que assumiu a vaga aos 35, em 1901. Ele tem uma longa história no campo da esquerda, tendo sido assessor parlamentar da liderança do PT, na Câmara, de 1995 a 2000; advogado do PT nas campanhas presidenciais de Lula em 1998, 2002 e 2006 e subchefe para Assuntos Jurídicos da Casa Civil de 2003 a 2005.

Comentários

Anonymous disse…
Ora, até que enfim uma postura clara e definida de Lula neste aspecto. Para contrabalancear a postura sempre ambígua de Gilmar que defende alguns interesses do governo Lula, mas a um custo altíssimo.
Terceira Margem disse…
Prof,
Acho errada essa escolha e a razão é simples:Toffoli é ligado diretamente a um partido político e isso prejudica a imagem do STF,e claro, vai contar após cada voto que ele fizer caso o senado o aprove.De resto,todas as denúncias que recaem sobre ele ainda são fracas,como o próprio Gilmar Mendes observou.Convenhamos,ser condenado em 1ªinstância em um país onde juízes mandam um jornalista pagar 30mil após levar algumas bordoadas não pode valer muita coisa(mas logicamente,não o exime de culpa,mas outras instâncias poderão esclarecer melhor).
abs.Hyury
Olá Hyury,
Eu penso que é uma escolha certa justamente pelas mesmas razões: porque o Brasil precisa de equilíbrio. Os demais membros do Supremo também foram escolhas partidárias, isso faz parte do jogo político. Todos eles eram pessoas vinculadas a partidos políticos ou a setores políticos muitos claros na sociedade. Alguns com vínculo de parentesco muito próximo aos presidentes que os nomearam. E, deve ser dito, o critério do mérito nem sempre foi o principal. Não se trata de dizert o que é justo, mas o que é necessário. Para que o país possa ter equilíbrio, algum dia, é preciso que haja processos de recuperação do tempo ou do espaço perdido. Pela mesma razão defendo a política de quotas. A escolha de Lula é correta, sobretudo se se considerar que suas escolhas anteriores sempre se deram após uma pressão política, de partidos da base aliada ou da oposição, para que Lula nomeasse os seus indicados políticos, sempre partidarizados, e ele fez isso.
Terceira Margem disse…
Professor,
Mesmo que faça parte do jogo político,talvez o PT o fizesse melhor se colocasse alguém mais preparado e que não esteja ligado diretamente ao partido.O PT deve ter seu Gilmar(todos sabemos que ele não simpatiza com o PT,mas nunca precisou advogar pro PSDB) em algum lugar.Basta procurar.Pelo que li em jornais,seria a 1ª vez que alguém que foi advogado do presidente ocupando o cargo.Será que essa iniciativa de deixar tudo às claras não pode prejudicar a imagem do STF?
Confesso também que não entendi o apoio de Gilmar à indicação de Toffoli,mesmo que seja apenas para não se indispor com um futuro colega de toga.
abs.Hyury
ps:que foto é essa no blog?!rsrs...
Meu caro Hyury,
Estes, já são outros argumentos. E quanto a eles, vamos lá: por que Toffoli não é preparado? Você tem realmente elementos concretos para dizer isso? A carreira dele mostra o contrário. Outra questão é a respeito do ministro Gilmar: ele ainda advoga para o PSDB, abrançando PUBLICAMENTE as causas do partido, fazendo pronunciamentos que ridicularizaram o STF no mundo inteiro, fatos são fatos. O que você diria dessa dobradinha entre PSDB e Gilmar nessa tentativa de judicializar a política no legislativo? Que você diria, meu caro Hyury? Enfim, a imagem do STF precisa ser salva, mas para isso, temos que, antes de tudo, salvar o STF do STF.
Terceira Margem disse…
Professor,
A carreira dele mostra que ele conseguiu chegar ao que poderíamos julgar de alto escalão da justiça por meios políticos,não pelo tal saber jurídico.Ele reprovou duas vezes nos anos 90 em concursos para juiz da 1ª vara de SP.A partir daí,só ocupou cargos por estar ligado ao PT.Tudo bem,já se vão mais de 10 anos e pode-se dizer que ele evoluiu muito na profissão,mas se for para escolher um dos ministros mais novos da história do STF, que seja alguém onde não pese a suspeita de falta de preparo,algo que ninguém pode afirmar sobre Toffoli.
Não concordo que Mendes ridicularize o STF,mas a questão aqui é "Ele pode ser acusado de ser do PSDB?".Ele é visivelmente contrário ao PT,assim como parece que Marco Aurélio de Mello seja mais próximo do atual governo,e isso é natural.No entanto,como seria a atuação de Toffoli no caso Batisti,sabendo que o refúgio ao italiano é puro capricho de alguns líderes do governo?E mais, como será no julgamento do caso dos envolvidos do Mensalão,que deve ser em 2010? Será que ele já não defendeu alguns dos réus?
O presidente poderia ter escolhido um nome mais preparado,que defendesse as causas do PT e que não precisasse passar por certos constrangimentos.
abs.Hyury
Terceira Margem disse…
Professor,
O que vejo é que ainda há dúvidas sobre Toffoli, mesmo que ele venha fazendo um trabalho elogiável na AGU.Ainda deveria ser considerado pouco para ocupar o cargo máximo do judiciário no país.Afinal,o que fez antes de tão importante que possa merecer a indicação?
Mendes tem um currículo além da universidade onde se formou, com pós-graduações e trabalhos no poder judiciário.Inclusive passando em concursos para procurador da república,juíz...Isso não pode ser ignorado.
Ele também não pode ser responsabilizado por algo que um ex-orientando faça.Ele é dono/professor de um curso em Brasília e foi(ou ainda é) professor na Unb, normal que tenha vários ex-orientados fazendo coisas boas e ruins.Só esclarecendo que não estou dizendo que ela fez algo errado.A política de cotas para estudantes de escolas públicas(negros ou não)deveria ser revista, mas isso é outra história.
E mais,posso estar enganado,mas acho que Mendes indeferiu o pedido da advogada do DEM.
abs.Hyury
Anonymous disse…
Quem é esse rapaz que tem a coragem de defender o Gilmar??? Ele me parece bronco e ainda usa um pseudônimo horroroso! Acho que ele não tem muita noção, não.

Postagens mais visitadas deste blog

Link para os últimos números de algumas revistas científicas na área da comunicacão

Publico aqui o link para os números recentes de algumas revistas do campo da comunicação: Conexão - Comunicação e Cultura , da Universidade de Caxias do Sul. Comunicação e Sociedade , da Universidade do Minho - que traz um dossiê sobre  Ética na Comunicação , com participação de Clifford G. Christians, Jane B.Singer, Carlos Maciá-Baber e Luís Sá Martino, entre outros. Esferas , publicação conjunta dos programas de pós-graduação do Centro Oeste, que traz o dossiê Comunicação e Interculturalidade . Rádio-Leituras , da Universidade Federal de Santa Maria Mediação , dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da FUMEC, ue traz o dossiê Comunicação em jogo: o esporte e o lúdico sob a lógica midiática. Intexto , revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da UFRGS. Revista IHU do Instituto Humanitas da UFRJ, com o dossier Jornalismo pós-industrial . http://www.ihuonline​.unisinos.br/impress​a/ Adendo posterior: E tam

Ariano Suassuna e os computadores

“ Dizem que eu não gosto de computadores. Eu digo que eles é que não gostam de mim. Querem ver? Fui escrever meu nome completo: Ariano Vilar Suassuna. O computador tem uma espécie de sistema que rejeita as palavras quando acha que elas estão erradas e sugere o que, no entender dele, computador, seria o certo   Pois bem, quando escrevi Ariano, ele aceitou normalmente. Quando eu escrevi Vilar, ele rejeitou e sugeriu que fosse substituída por Vilão. E quando eu escrevi Suassuna, não sei se pela quantidade de “s”, o computador rejeitou e substituiu por “Assassino”. Então, vejam, não sou eu que não gosto de computadores, eles é que não gostam de mim. ”

Um tetrâmetro trocaico cataléptico

Bom, é para rir, mas para quem quiser levar à sério aqui vai a explicação para o que vem a ser um "tetrâmetro, trocaico cataléptico" : Tetrâmetro: O fato essencial – e torpe – é que cada verso é composto por quatro troquéus. Um troquéu é uma coisa formada por duas sílabas, sendo que a primeira é tônica e a segunda atônica. Coisa típica do inglês: “ti•ger”. Isso é curioso porque a métrica latina sempre opõe o peso relativo de sílabas longas a curtas, ao cpontrário do inglês. Mas, como se sabe, o inglês é uma língua semi-bárbara. Então, fica sendo curioso. Já que cada verso contém quatro troquéus, ele pode ser considerado um tetramétrico.  Cateléptico: O último troquéu, no entanto, é monossilábico. Ou seja, está incompleto: (“bright“). Esse corte é chamado catalexis. Por isso se diz que o último troquéu é cataléptico. Trocaico:  É o ritmo. O ritmo do poema, que quase reproduz o andar de um tigre, pé ante pé, sincopado, nessa calma contida dos felinos e, talvez, de cer