Pular para o conteúdo principal

Tu és a Alemanha

Há uns dois anos um grupo de empresas alemãs, com apoio do Estado, produziu uma campanha de propagando densa, muito rica, muito interessante, objetivando elevar a auto-estima dos alemães. A peça central era um VT com dois minutos de duração e o seguinte texto, recitado em crescente explosivo:

"Uma borboleta pode provocar um ciclone.
O movimento de ar provocado pelo bater das suas asas pode derrubar árvores a alguns quilômetros de distância. Do mesmo modo que uma aragem pode provocar uma tempestade, também a tua ação pode ter resultados.
Irrealista, dizes tu?

Porque é que incitas a tua equipe no estádio, se a tua voz é tão insignificante?
Porque é que agitas bandeiras quando o Schumacher dá as suas voltas?
Tu sabes a resposta: porque da tua bandeira se fazem muitas bandeiras, e da tua voz se faz um coro. Tu és uma parte de tudo, e tudo é uma parte de ti.
Tu és a Alemanha.

A tua vontade é estimulante. Faz com que o teu avançado preferido e o Schumi sejam mais rápidos. Não interessa onde trabalhas. Não interessa o teu posto.
Tu aguentas a empresa. Tu és a empresa.
Tu és a Alemanha.

O nosso tempo não é fácil. Ninguém afirma isso. Pode ser que estejas perante uma porta fechada, ou encostado à parede. Mas nós já conseguimos derrubar um muro. Na Alemanha há mãos em número suficiente para se unirem e se deitarem à obra. Somos 82 milhões. Sujemos as mãos.
Tu és a mão. Tu és 82 milhões.
Tu és a Alemanha.

Então: que tal se te começasses a incitar a ti próprio? Carrega no acelerador, e não apenas quando vais na auto-estrada. Tira o pé do travão. Não há limites de velocidade na via alemã. Não perguntes o que é que os outros podem fazer por ti. Tu és os outros.
Tu és a Alemanha.

Trata o teu país como um bom amigo. Não reclames sobre ele, ajuda-o. Dá o teu melhor rendimento. E uma vez chegado aí, supera-te a ti próprio. Abana as tuas asas e derruba árvores. Tu és a asa, tu és a árvore.
Tu és a Alemanha."

A campanha era complementada com uma série de anúncios em revistas e jornais e out-doors que diziam, mais ou menos o seguinte:


- Tu és a Alemanha. Tu és Johann Wolfgang von Goethe
(convida pessoas a escreverem e publicarem seus livros)

- Tu és a Alemanha. Tu és Ludwig van Beethoven
(convida o grupo de música a fazer um disco).

Há muito se discute a questão da baixa auto-estima dos paraenses. Não seria o caso de discutirmos de verdade esse assunto?

Comentários

Anônimo disse…
A este respeito é interessante observar como os portugueses superaram sua baixa autoestima, devido em boa parte ao isolamento e atraso imposto por anos de ditadura Salazarista.
Anônimo disse…
Hum...não sei não prof. esse arroubo nacionalista dos alemães descambou na segunda grande guerra. E brasileiro, só lembra de ser brasileiro durante a copa, e isso quando ganha. Vej a a chiadeira geral que tá causando o governo obrigar as escolas a tocar o hino nacional e içar a bandeira uma vez por semana nas escolas públicas! Sem falar na P.I.G, que se o Lula desse ouvidos teria declarado guerra à Bolívia aquando do problema da Petrobras. Essa gente nacionalista é doida, o mesmo para os estados, vê a piração dos amazonenses contra os paraenses,´criam uma desunião e rivalidade burra que prejudica os dois principais estados da Amazônia que lucrariam mais se atuassem juntos.

Postagens mais visitadas deste blog

Link para os últimos números de algumas revistas científicas na área da comunicacão

Publico aqui o link para os números recentes de algumas revistas do campo da comunicação: Conexão - Comunicação e Cultura , da Universidade de Caxias do Sul. Comunicação e Sociedade , da Universidade do Minho - que traz um dossiê sobre  Ética na Comunicação , com participação de Clifford G. Christians, Jane B.Singer, Carlos Maciá-Baber e Luís Sá Martino, entre outros. Esferas , publicação conjunta dos programas de pós-graduação do Centro Oeste, que traz o dossiê Comunicação e Interculturalidade . Rádio-Leituras , da Universidade Federal de Santa Maria Mediação , dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da FUMEC, ue traz o dossiê Comunicação em jogo: o esporte e o lúdico sob a lógica midiática. Intexto , revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da UFRGS. Revista IHU do Instituto Humanitas da UFRJ, com o dossier Jornalismo pós-industrial . http://www.ihuonline​.unisinos.br/impress​a/ Adendo posterior: E tam

Ariano Suassuna e os computadores

“ Dizem que eu não gosto de computadores. Eu digo que eles é que não gostam de mim. Querem ver? Fui escrever meu nome completo: Ariano Vilar Suassuna. O computador tem uma espécie de sistema que rejeita as palavras quando acha que elas estão erradas e sugere o que, no entender dele, computador, seria o certo   Pois bem, quando escrevi Ariano, ele aceitou normalmente. Quando eu escrevi Vilar, ele rejeitou e sugeriu que fosse substituída por Vilão. E quando eu escrevi Suassuna, não sei se pela quantidade de “s”, o computador rejeitou e substituiu por “Assassino”. Então, vejam, não sou eu que não gosto de computadores, eles é que não gostam de mim. ”

Um tetrâmetro trocaico cataléptico

Bom, é para rir, mas para quem quiser levar à sério aqui vai a explicação para o que vem a ser um "tetrâmetro, trocaico cataléptico" : Tetrâmetro: O fato essencial – e torpe – é que cada verso é composto por quatro troquéus. Um troquéu é uma coisa formada por duas sílabas, sendo que a primeira é tônica e a segunda atônica. Coisa típica do inglês: “ti•ger”. Isso é curioso porque a métrica latina sempre opõe o peso relativo de sílabas longas a curtas, ao cpontrário do inglês. Mas, como se sabe, o inglês é uma língua semi-bárbara. Então, fica sendo curioso. Já que cada verso contém quatro troquéus, ele pode ser considerado um tetramétrico.  Cateléptico: O último troquéu, no entanto, é monossilábico. Ou seja, está incompleto: (“bright“). Esse corte é chamado catalexis. Por isso se diz que o último troquéu é cataléptico. Trocaico:  É o ritmo. O ritmo do poema, que quase reproduz o andar de um tigre, pé ante pé, sincopado, nessa calma contida dos felinos e, talvez, de cer