Pular para o conteúdo principal

Os 10 pecados da política cultural do PSDB no Pará - Introdução

Resolvi publicar no blog a primeira parte do novo paper do Laboratório de Sociomorfologia, no qual discuto o que seria uma gestão de política cultural social e democrática. O momento é oportuno, justamente, porque dentro de pouco mais de um mês começa o governo de Ana Júlia no Pará. O momento é impressionante: primeiro governo petista no estado e primeira mulher a governá-lo. Na área cultural, a missão será árdua, porque a gestão anterior, nos seus doze anos de ação, deixou lacunas graves, mas também obras de visibilidade e apelo. A idéia é contribuir com a discussão já em curso na cidade.

A primeira parte deste novo paper do LabSo faz uma crítica da gestão do PSDB. A segunda parte alinha alguns elementos que deveriam nortear a próxima gestão cultural. Seguem os 10 pecados anunciados. Publicare3i um por dia, para não cansar:

O PSDB - não apenas no Pará, mas por índole nacional – se caracteriza, no campo cultural, por ser um partido que pensa a cultura de maneira não-antropológica, embora recorrentemente, nas suas cartilhas, mencione adotar um conceito antropológico de cultura nas suas ações. Suas ações culturais, na verdade, têm o escopo de uma casuística circunstancial, sendo composta por uma série de práticas fragmentadas, que se delineiam conforme a possibilidade de uma parceria com o setor privado. O próprio lema da política cultural do PSDB indica claramente essa índole quando propõe que “cultura é um bom negócio”. Ora, o mercado, apesar de ser uma dinâmica fundamental da sociedade, não corresponde à totalidade da sociedade. Reduzir a sociedade às suas dinâmicas mercadológicas é, portanto, uma percepção anti-antropológica, justamente, da questão cultural.

Essa situação, construída sistematicamente tanto a nível federal como estadual, gerou um instrumental autoritário e reducionista, sem resultado algum em forma de circularidade, reflexão, diversidade e gratuidade, quesitos fundamentais para quem sonha com uma política cultural que favoreça o fortalecimento da sociedade e um estado de direito plural e democrático.
Governo terminado, o PSDB deixa, aos paraenses, doze anos de uma política cultural centrada em Belém e acusada de elitismo por artistas e intelectuais. Trata-se de uma política cultural que deixa marcas profundas, obras importantes e, apesar delas, muitas feridas no tecido cultural do estado. E tanto isso é verdade que as ações no campo cultural constituíram um debate privilegiado nestas eleições. Essa herança precisa ser debatida, porque o PT certamente terá, no campo cultural – incluindo nele a área das telecomunicações – um dos seus maiores embates – e, pelas circunstâncias deixadas, uma de suas maiores possibilidades de êxito.

O que segue é uma pauta crítica: os dez pecados da política cultural do PSDB.

Comentários

Unknown disse…
Fico simplesmente maravilhado com o que li, como artista participante ativo deste processo excludente de 12 anos de Paulo Chaves na Secult.
Sua análise responde qualquer pergunta sobre o que é a política cultural no Estado. Há 30 anos trabalho no mundo da dança, no entanto meu reconhecimento maior é fora do Estado. Como você bem escreve, o PSDB não sabe na verdade por onde caminhar no cuidar do fazer artístico-cultural de uma região de grande efervescência popular e erudita. Gostaria de entender por que em 12 anos excluíram tanto o artista paraense deste processo de construção. O que mais me chocou foi saber que, há algumas semanas, antes das eleições, um pequeno grupo de artistas ofereceu apoio ao PSDB, no "Manifesto 45", publicado nos jornais locais. Neste documento, este pequeno grupo afirmava que o governo tucano foi positivo na área cultural, desta forma mostrando o seu apoio para todo este processo excludente.
Parabéns pelo discernimento ao analisar esse processo. Muito bem!
Rubem Meireles.
Bailarino, coreógrafo e professor do NPI/UFPA; coordenador da dança da Unama; e diretor da cia. de dança Guará Balé Teatro.
hupomnemata disse…
Oi Rubem, Obrigado pelo comentario. Acho que a area da dança tem sido uma plataforma particularmente importante para ver esse embate e deve ter muito a dizer. Quanto ao tal manifesto, olha, quando eu vi isso fiquei realmente chocado, mas todo mundo deve ter suas razões, não é? Abraço, valeu.

Postagens mais visitadas deste blog

Link para os últimos números de algumas revistas científicas na área da comunicacão

Publico aqui o link para os números recentes de algumas revistas do campo da comunicação: Conexão - Comunicação e Cultura , da Universidade de Caxias do Sul. Comunicação e Sociedade , da Universidade do Minho - que traz um dossiê sobre  Ética na Comunicação , com participação de Clifford G. Christians, Jane B.Singer, Carlos Maciá-Baber e Luís Sá Martino, entre outros. Esferas , publicação conjunta dos programas de pós-graduação do Centro Oeste, que traz o dossiê Comunicação e Interculturalidade . Rádio-Leituras , da Universidade Federal de Santa Maria Mediação , dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da FUMEC, ue traz o dossiê Comunicação em jogo: o esporte e o lúdico sob a lógica midiática. Intexto , revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da UFRGS. Revista IHU do Instituto Humanitas da UFRJ, com o dossier Jornalismo pós-industrial . http://www.ihuonline​.unisinos.br/impress​a/ Adendo posterior: E tam

Ariano Suassuna e os computadores

“ Dizem que eu não gosto de computadores. Eu digo que eles é que não gostam de mim. Querem ver? Fui escrever meu nome completo: Ariano Vilar Suassuna. O computador tem uma espécie de sistema que rejeita as palavras quando acha que elas estão erradas e sugere o que, no entender dele, computador, seria o certo   Pois bem, quando escrevi Ariano, ele aceitou normalmente. Quando eu escrevi Vilar, ele rejeitou e sugeriu que fosse substituída por Vilão. E quando eu escrevi Suassuna, não sei se pela quantidade de “s”, o computador rejeitou e substituiu por “Assassino”. Então, vejam, não sou eu que não gosto de computadores, eles é que não gostam de mim. ”

Um tetrâmetro trocaico cataléptico

Bom, é para rir, mas para quem quiser levar à sério aqui vai a explicação para o que vem a ser um "tetrâmetro, trocaico cataléptico" : Tetrâmetro: O fato essencial – e torpe – é que cada verso é composto por quatro troquéus. Um troquéu é uma coisa formada por duas sílabas, sendo que a primeira é tônica e a segunda atônica. Coisa típica do inglês: “ti•ger”. Isso é curioso porque a métrica latina sempre opõe o peso relativo de sílabas longas a curtas, ao cpontrário do inglês. Mas, como se sabe, o inglês é uma língua semi-bárbara. Então, fica sendo curioso. Já que cada verso contém quatro troquéus, ele pode ser considerado um tetramétrico.  Cateléptico: O último troquéu, no entanto, é monossilábico. Ou seja, está incompleto: (“bright“). Esse corte é chamado catalexis. Por isso se diz que o último troquéu é cataléptico. Trocaico:  É o ritmo. O ritmo do poema, que quase reproduz o andar de um tigre, pé ante pé, sincopado, nessa calma contida dos felinos e, talvez, de cer