Pular para o conteúdo principal

Heranças à Esquerda

Heranças à Esquerda é uma coleção de postagens deste blog. Um conjunto de crônicas políticas que procuram identificar as fontes do pensamento "de esquerda", procurando mapear autores, referir minhas leituras sobre eles e de suas obras e construir referenciais para uma política ética e com respeito para com a diversidade social e ambiental.

A série de posts inclui sub-séries, como "O marxismo soviético" e "O marxismo ocidental". Além disso, há posts complementares, tratando de assuntos análogos. Na barra lateral pode-se encontrar o link para toda a série.

A série, com suas sub-séries:

Heranças à Esquerda 49: Esquerdas brasileiras 19: O PT 10: Os trotyskismo do PT: A DS 2
Heranças à Esquerda 48: Esquerdas brasileiras 18: O PT 9: Os trotyskismo do PT: A DS 1
Heranças à Esquerda 47: Esquerda brasileiras 17: O PT 8: Os trotskysmos do PT: O Trabalho
Heranças à Esquerda 46: Os trotskysmos do PT: Cenário Geral
Heranças à Esquerda 45: Esquerdas brasileiras 16: O PT 7: Os leninismos do PT: O PCBR e o BS
Heranças à Esquerda 44: Esquerdas brasileiras 15: O PT 6: Os leninismos do PT: O MCR e a FS
Heranças à Esquerda 43: Esquerdas Brasileiras 14: O PT 5 - O PRC, a NE e a TM
Heranças à Esquerda 42:  Esquerdas Brasileiras 13: O PT 4 - A Articulação 3
Heranças à Esquerda 41: Esquerdas Brasileiras 12: O PT 3 - A Articulação 2
Heranças à Esquerda 40: Esquerdas Brasileiras 11: O PT 2 – A Articulação 1
Heranças à Esquerda 39: Esquerdas Brasileiras 10: O PT 1 – Heterodoxia e diálogo
Heranças à Esquerda 38: Esquerdas Brasileiras 9: O PCB 9 – De 1958 a 1967
Heranças à Esquerda 37: Esquerdas Brasileiras 8: O PCB 8 – De 1946 a 1937
Heranças à Esquerda 36: Esquerdas Brasileiras 7: O PCB 7 – De 1930 a 1935
Heranças à Esquerda 35: Esquerdas Brasileiras 6: O PCB 6 – O “enquadramento” de 1930
Heranças à Esquerda 34: Esquerdas Brasileiras 5: O PCB 5 – A vitória de 1928
Heranças à Esquerda 33: Esquerdas Brasileiras 4: O PCB 4 – Fontes teóricas e primórdios
Heranças à Esquerda 32: Esquerdas Brasileiras 3: O PCB 3 – A dissolução, em 1991
Heranças à Esquerda 31: Esquerdas Brasileiras 2: O PCB 2 – A grande crise 2
Heranças à Esquerda 30: Esquerdas Brasileiras 1: O PCB 1 – A grande crise 1
Heranças à Esquerda 29: O marxismo ocidental 12: Pierre Bourdieu 2
Heranças à Esquerda 28: O marxismo ocidental 11: Pierre Bourdieu 1
Heranças à Esquerda 27: O marxismo ocidental 10: Gilles Deleuze
Heranças à Esquerda 26: O marxismo ocidental 9: Michel Foucault
Heranças à Esquerda 25: O marxismo Ocidental 8: Antonio Gramsci 2
Heranças à Esquerda 24: O marxismo ocidental 7: Antonio Gramsci
Heranças à Esquerda 23: O marxismo ocidental 5: Walter Benjamin
Heranças à Esquerda 22: O marxismo ocidental 4: Herbert Marcuse
Heranças à Esquerda 21: O marxismo ocidental 3: Georg Lukács
Heranças à Esquerda 20: O marxismo ocidental 2: O último esforço
Heranças à Esquerda 19: O marxismo ocidental 1: Passagem para a 3a geração
Heranças à Esquerda 18: Meu ponto de partida
Heranças à Esquerda 17: O marxismo soviético 10: Perestroika e Glastnost
Heranças à Esquerda 16: O marxismo soviético 9: A reforma Gorbatchev
Heranças à Esquerda 15: O marxismo soviético 8: A decadência do modelo
Heranças à Esquerda 14: O marxismo soviético 7: A discussão Liberman
Heranças à Esquerda 13: O marxismo soviético 6: A economia planificada
Heranças à esquerda 12: O marxismo soviético 5: O substitucionismo, herança fatal
Heranças à esquerda 11: O marxismo soviético 4: Mais sobre o comunismo de guerra e a NEP
Heranças à Esquerda 10: O marxismo soviético 3: ...à Nova Política Econômica
Heranças à esquerda 9: O marxismo soviético 2: Da “economia de guerra”...
Heranças à Esquerda 8: O marxismo soviético 1
Heranças à Esquerda 7: Trotsky III
Heranças à Esquerda 6: Trotsky II
Heranças à Esquerda 5: Trotsky I
Heranças à Esquerda 4: O Cristianismo revolucionário
Heranças à Esquerda 3: 1968 II
Heranças à esquerda 2: 1968 I
Heranças à esquerda 1: A política da longa duração

As postagens correlatas:
Veja aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ariano Suassuna e os computadores

“ Dizem que eu não gosto de computadores. Eu digo que eles é que não gostam de mim. Querem ver? Fui escrever meu nome completo: Ariano Vilar Suassuna. O computador tem uma espécie de sistema que rejeita as palavras quando acha que elas estão erradas e sugere o que, no entender dele, computador, seria o certo   Pois bem, quando escrevi Ariano, ele aceitou normalmente. Quando eu escrevi Vilar, ele rejeitou e sugeriu que fosse substituída por Vilão. E quando eu escrevi Suassuna, não sei se pela quantidade de “s”, o computador rejeitou e substituiu por “Assassino”. Então, vejam, não sou eu que não gosto de computadores, eles é que não gostam de mim. ”

Considerações sobre a lei do aborto na Argentina

Não devo ter muito direito de dizer o que segue, porque minha compreensão do problema não é, senão, transcendental ao fato, considerando a elementaridade de que homens podem ter o poder, mas, jamais, terão legitimidade para dar sua opinião sobre o assunto.  Não obstante, como sou um ser opiniático e reflexivo, não me recuso a não dizer o que penso.  Falo a respeito do aborto, motivado pela legalização do mesmo na Argentina. Penso que se trata de um evento maior, desses de imensa magnitude e que faz questionar as referências hegemônicas.  Sendo muito sintético e objetivo, vou direto ao ponto: a legalização do aborto, na Argentina, é uma vitória cultural e política. É uma vitória das mulheres sobre os abusos históricos incondescendentes que a política e a cultura fazem do corpo feminino.  Dizendo de oura maneira: a legalização do aborto é uma vitória do corpo feminino sobre a política e sobre a cultura. Uma vitória do corpo feminino.  Uma vitória que se faz possível quando o corpo se f

Sobre o banimento da música instrumental da Rádio Cultura

Corre rapidamente a notícia de que a Rádio Cultura baniu a música instrumental de sua programação diária, relegando-a a programas especiais. Gostaria de dizer que me uno ao coro dos descontentes com essa decisão.   Como bem disse o Delcley Machado, a música instrumental tem uma história e uma energia forte em Belém. Tem uma tradição de qualidade e de envolvimento de públicos. Desde os anos 1920, quando iniciou a febre dos “bailes de clube” com as diversas orquestras que atuavam na cidade - dentre as quais as dos maestros Guiães de Barros, Oliveira da Paz e Marcos Drago, dentre outros, passando pelo grande maestro Alberto Mota, já nas décadas de 1940 a 60 - Belém tem um envolvimento profundo com o instrumental. Tudo isso produziu heranças valiosas. No final dos anos 1960 e começo dos 70, o grupo Sol do Meio Dia - com o baixo de Minni Paulo, Odorico na guitarra, Zé Macedo na percussão e o baterista Magro, se formou na juventude católica de Belém, com apoio do fabuloso padre Raul e suas j